sexta-feira, 10 de outubro de 2014

Seus jogadores não seguem seu roteiro de Aventura? Melhor repensá-lo então...

Volta e meia eu vejo por aí, principalmente no Facebook, pessoas reclamando que os jogadores das mesas deles não seguem a aventura planejada, memes mostrando jogadores como pessoas maquiavélicas que querem sacanear o mestre e não seguem a aventura proposta só de zoeira. Será que isso é realmente verdade? Ou melhor, será que essa é a única verdade?

Pode ser sim que alguns jogadores façam isso só de sacanagem, para zoar com a mesa e atrapalhar o mestre sem motivo nenhum senão causar confusão mas, pela minha experiência, esses são a minoria. A maioria, simplesmente, não vê como aquilo é relevante para seu personagem e para o grupo e não entende porque deveria seguir aquele caminho e não outro. Esse é um jogo de interpretação de papeis. Sendo assim, personagens possuem ambições, motivações, objetivos e ideias próprias. Nem sempre aquela aventura que o mestre preparou vai alimentar e chamar a atenção dos personagens se ela não trabalhar com isso.

Olhando pelo outro lado, muitos mestres que passam um bom tempo preparando suas aventuras detalhadamente sentem que precisão usá-la de qualquer forma e que é obrigação dos jogadores se adaptar a ela, segui-la. Afinal, sentamos para jogar, foi isso que ele preparou, então teríamos que jogar essa aventura, certo? Nem tanto. RPG é um jogo social e colaborativo. É importantíssimo que o mestre e os jogadores entrem em acordo em relação ao tipo de jogo e histórias eles querem criar jogando.

A fim de ajudar Mestres a minimizar esse tipo de problema em suas meses e ficar mais a vontade em aceitar escolhas dos jogadores em não seguir exatamente o que ele tinha preparado, preparei algumas dicas rápidas.

Converse com os jogadores: Antes de começar qualquer campanha, ou mesmo aventuras soltas, é bastante importante que os participantes entrem em acordo sobre o que será o jogo e como ele será jogado. Vamos jogar um jogo de heróis que se sacrificam por um bem maior? Ótimo, então, por favor, não façam personagens egoístas que só pensem em si mesmos, pois não fará sentido esse tipo de personagem nesse jogo. Vamos jogar um jogo sobre mercenários em busca de ambições pessoais? Vai ser difícil convencer esses indivíduos a ajudar uma pessoas sem ser oferecido nada em troca ou ter um bom motivo para aquilo. Estabelecer sobre o que será o jogo e que tipo de aventuras e histórias ele vai focar ajuda bastante a evitar esses impasses. Ainda assim, cabe um personagem mercenário em um jogo de heróis se o tema que os participantes quiserem seguir for o da consciência desse personagem se modificante e se tornando mais altruísta, por exemplo.

Conheça seus personagens: É muito importante que o mestre conheça os personagens dos jogadores. Quais são os objetivos deles? O que eles buscam? Ouro, glória, poder, fama? Eles tem inimigos? Amigos? Relacionamentos que são importantes de alguma forma para eles? Sabendo essas coisas, ele pode criar aventuras e situações que envolvem mais facilmente os jogadores. Mesmo um aventureiro ganancioso iria pensar duas vezes em ignorar um pedido de ajuda se ele vier de uma antiga paixão sua, ainda mais se a ameaça vier de um inimigo pessoal seu. Ou seja, utilize os personagens dos jogadores para criar coisas para eles. É bem provável que eles criem histórias e personagens que indicam o tipo de jogo que querem jogar.

Prepare horizontalmente e não verticalmente: Ao invés de preparar aventuras detalhadíssimas, cobrindo todas as possibilidades e detalhando o que cada inimigo tem guardado na meia, gaste seu tempo preparando coisas mais variadas e menos detalhadas. Com o tempo que gastamos detalhando cada aspecto de uma aventura, poderíamos montar a estrutura principal de 3 ou 4 delas. Aqui no blog eu tenho uma postagem falando de como preparar esqueletos de aventuras em pouquíssimo tempo, dando tudo o que você precisa para mestrar mas sem te amarrar e te tomar muito tempo. Tenha vários esquemas desses preparados e ofereça mais opções aos jogadores. Assim, se não gostarem de uma opção, terão várias outras que ainda podem seguir.

Tenha recursos disponíveis: Depois de 40 anos de hobby e a internet aí para todos, ter material pronto e versátil para ser usado é tão fácil quanto ligar o seu computador. Centenas de aventuras prontas e encontros legais estão disponíveis por aí e muitos gratuitamente. O concurso One Page Dungeon disponibiliza dezenas de aventuras rápidas de uma página que você pode pegar e jogar no caminho dos jogadores sem precisar preparar nada. Se os jogadores não se interessarem pelo que você preparou, tenha outras opções a mão e aproveite essa infinidade de recursos a nossa disposição. São aventuras, localidades, NPCs e cenários completos que podem ser usados.

Não tenha medo de continuar depois: Se tudo mais falhar e os jogadores optarem por um rumo no jogo em que você não consegue seguir naquele momento, não se desespere. Não há nada de errado em parar o jogo naquele momento e continuar depois que você já estiver preparado para o que eles querem fazer. Saque um jogo rápido pra jogar, pegue o Munckin ou algum Board Game e não deixe de se divertir durante o encontro de vocês. Dessa forma você ganha tempo para preparar algo que todos estejam a fim de fazer e ainda joga outros jogos, todo mundo sai ganhando.

Acho que com essas dicas o grupo todo sai ganhando. Os jogadores terão aventuras mais apropriadas aos personagens deles e se prepararam para um tipo de jogo que acordaram com o mestre e este, por sua vez, não se sentirá perdendo tempo ao preparar material de jogo que seria descartado de imediato pelos jogadores.

Mas e quanto a vocês? Enfrentam esses problemas constantemente? O que acham ser a causa deles e o que fazem para evitá-lo?

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.