domingo, 30 de setembro de 2018

Oranoslob e o Culto ao Ódio e à Mentira

Vocês pediram e o blog atendeu! Mais conteúdo de RPG nesse tempo em que só se fala em outras coisas!

Um novo antagonista demoníaco para seus jogos, com um culto fanático e cruel para atrapalhar seus jogadores!

Oranoslob, o Arauto do Ódio

Lorde Demoníaco do Ódio e da Mentira
Cultuado por: Assassinos, torturadores, demônios e pessoas enganadas pelas mentiras de Oranoslob


Oranoslob era um demônio menor, de pouca importância no Abismo, ignorado pelos verdadeiros Lordes do Caos. Mas ele era ambicioso, e com grande perícia na arte da mentira, intriga e ódio.


Ele e outros demônios menores preparam rituais falsos para enganar os Lordes do Abismo. Mas não deu certo e ele fugiu das profundezas, se refugiando em Anttelius, onde assumiu a forma de um senador em Mezzanthia.


Na Cidade-Estado, devido às grandes diferenças sociais e econômicas dos vários povos, o demônio do ódio e da mentira rapidamente chegou ao topo do poder no Senado, jogando um grupo contra o outro, uma classe sobre a outra, um povo contra o outro. Os desesperados e incultos, procurando uma saída fácil, alguém a quem culpar, rapidamente se aliaram a Oranoslob, criando praticamente um exército de fanáticos.


Crenças do Culto a Oranoslob



Os cultistas do demônio do ódio e da mentira acreditam em uma série de dogmas sem correlação com a realidade, os quais foram incutidos em suas mentes por palavras de comando repetitivas e carregadas da feitiçaria do ódio.


1d4
Mentiras de Oranoslob
1
Os demais senadores de Mezzanthis planejam implementar uma Ditadura Élfica na Cidade-Estado, retirando a moradia e o direito a posse de qualquer coisa de todos os seres humanos e os garantido somente aos animais e plantas.
2
Todo os sistema político da Cidade-Estado é corrupto, decadente e desonesto. Desde sua base até o topo, não se salvando um agente. Menos Oranoslob, que é imaculado, puro e combativo a tudo isso, lutando a 27 anos de dentro do sistema.
3
Oranoslob acredita que todos têm direito a sua própria defesa e quer que todos tenham direito a ter uma espada em seu cinto, muito embora a maioria da população mal tenha moedas para comprar um pedaço de carne para a sua refeição e uma espada custe o equivalente a alguns anos de trabalho.
4
Cultos demoníacos, sacrifícios humanos e consumo de carne humana são coisas de pessoas que adoram deuses, por alguma razão que ninguém sabe explicar.


Acontecimentos Ligados ao Culto



Para usar o Culto de Oranoslob em sua campanha, o mestre de jogo pode usar a tabela abaixo para criar situações de jogo.


1d4
O que aconteceu com o Culto de Oranoslob?
1
Depois de receber 200 mill moedas de ouro da Guilda das Carnes, Oranoslob devolveu o dinheiro ao culto que o enviou ao senador novamente na forma de doações. Qualquer pessoas que denunciou sua ligação com a corrupta liga desapareceu desde então.
2
Em uma manifestação a seu favor contra a ditadura das tartarugas, em que o senador pregava a morte de todos os donos de cágados ou tartarugas, uma pessoa com claras perturbações mentais lhe ataca. Oranoslob usa esta oportunidade para propagar a informação de que os donos de tartarugas tentarão matar todos aqueles que não possuírem uma.
3
Depois de ser encontrado em um palácio cheio de bebidas, regalias e outras benesses pagas com o ouro do senado, Oranoslob alega que não era ele ali, e que se trata de uma feitiçaria sinistra feita pelos povos do sul para manchar sua imagem. O culto, incauto, começa uma caçada impiedosa contra todos os homens e mulheres das terras quentes abaixo de Mezzanthia.
4
Oranoslob tomou o poder do Senado, se tornando chanceler e abolindo suas funções. Se tornando o líder com um culto numeroso, o Omnilorde se Mezzanthia é morto por uma turba de fanáticos. Todo e qualquer cidadão que questiona o seu poder ou suas verdades é intitulado um adorador de elfos e é enviado para as câmaras de tortura até confrssarem suas vontades de se tornarem plantas.




Bem, eu não fui totalmente sincero no início da postagem. Esta postagem não é puramente sobre RPG. Aliás, nada é puramente uma única coisa. Não na esfera humana de criação. Sempre carregamos dogmas, crenças e valores em tudo que fazemos.


Por isso é preciso dizer #EleNão! E isto não é uma questão política.


Pelo menos não puramente. É uma questão essencialmente humanitária.


Não se trata de ser a favor de políticas de esquerda ou de direita. Não se trata de ser a favor ou contra a propriedade privada. De ser a favor ou contra a atuação do Estado na economia. De ser a favor ou contra a taxação de grandes fortunas, da redistribuição de renda, de políticas inclusivas e de ações afirmativas.


Trata-se de ser contra o ódio, a violência, à tortura, à opressão, ao medo. O tal candidato, referido aqui como o COISO, não tem propostas políticas. Mesmos seus seguidores devem admitir isso. É só procurar seu programa de governo. É apenas recheado de poucas páginas de frases genéricas, sem nada concreto.


O que o COISO tem de sobra, no entanto, são frases e expressões de ódio, preconceito e violência. Bem concretas aliás. Ele fala em diversas ocasiões sobre bater em crianças para evitar algum comportamento que julga inadequado. Fala em dar soco na cara de duas pessoas se beijando na rua porque não concorda que elas possam se amar. Fala em vídeo muito recente em metralhar opositores. Fala que a ditadura matou pouco. Se refere a etnias que não são a sua como se fossem gado, animais, vagabundos. Fala que se não ganhar a eleição o exército está pronto para tomar providências em rede nacional (e todo mundo sabe a merda que deu da última vez). Não se trata de ser direita ou esquerda. Qualquer outro candidato à presidência eu estou cagando. Posso preferir um ou outro, mas eles ainda tem um mínimos de humanidade. O COISO é tudo menos humano.


Se eu quero um ambiente no hobby que seja receptivo a todos os jogadores, independente de cor da pele, cultura, religião, orientação política inclusive, eu digo #EleNão! Se eu quero que meu filho possa crescer livre para ser o que ele quiser, mesmo que fuja dos padrões aceitos da sociedade, exercendo sua LIBERDADE, eu digo #EleNunca! Se eu quero poder jogar RPG livremente, quero que as pessoas possam se reunir por aí, em qualquer lugar, em qualquer número, em um jogo que é subversivo por natureza, eu digo #EleJamais.


E se você não gosta, pode parar de seguir. Isto é um blog pessoal. É uma pessoa sozinha que escreve ele. A página do Facebook também! É o meu blog, a minha página, então ela é muito pessoal mesmo, refletindo assim minhas opiniões, paixões e rejeições.


Pra não perder o costume, inspirado no COISO, acima você vai encontrar um novo culto demoníaco pros seus jogos de fantasia, porque o COISO e seus seguidores são vilões perfeitos.


Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.