sexta-feira, 17 de outubro de 2014

Encontro mais memorável que tive em um RPG - #RPGaDay

São, literalmente, 20 anos jogando RPG e muitas e muitas aventursa. Tanto do lado dos jogadores, como no lado de mestre de jogo. Algumas são meras lembranças, mais pelos amigos que participaram do que pelos acontecimentos na história do jogo. Outras, no entanto, ficam marcadas como grandes histórias, rivais até dos livros de fantasio dos quais sou fã.

A postagem de hoje é para falar de um dos encontros (ou cenas) mais memoráveis que tive em uma mesa de jogo. De fato, eu tenho vários que classificaria como inesquecíveis. Mas tem um que me deixa empolgado e orgulhoso, não só por mim, mas por todo o grupo que participou. Há uns 2 anos, eu mestrava uma campanha semanal de The One Ring, o atual RPG da franquia do Senhor dos Anéis e o Hobbit que tratava da caça de alguma relíquias malignas de Angmar para serem destruídas antes que um Feiticieiro Numenoreano Negro as conseguisse. Uma delas o grupo descobrira que tinha sido levada para dentro das catacumbas de uma fortaleza élfica na Floresta das Sombras (Mirkwood) por uma família de elfos que fora seduzida pelas Sombras e o grupo tinha ido lá para recuperar o objeto e levá-lo para que Saruman o destruísse (ninguém há época sabia que o Mago Branco também estava sendo seduzido pela Escuridão). Os jogadores sabiam o nome da família traidora e as cores de sua casa, o Cinza e o Negro.

Sendo assim, no momento em que eles conseguem alcançar o artefato na antiga fortaleza élfica abandonada, aranhas gigantes da floresta começam a atacar o local. Elfos da floresta chegam para ajudar e os jogadores, basicamente, precisam decidir se ficam para ajudar (o que parece ser uma batalha perdida, devido à quantidade de aranhas e a aparição de uma aberrações gigantes) ou se vão embora com o que vieram buscar (tendo que passar por obstáculos, é claro). O  grupo acabou se dividindo e o personagem com o artefato se viu cercado de aranhas quando um grupo de elfos veio em seu socorro... usando vestes cinzas com negro. Eu repeti várias vezes as cores da veste e falei de qual casa que eram, um nome bem parecido com a antiga casa traidora (como nas histórias de Tolkien os nomes dos descendentes são parecidos com seus antecessores) mas o jogador, desesperado em sair dali vivo com o artefato não prestou atenção.

Até que ele se viu longe de todos e de tudo, apenas em companhia de uns 10 elfos da casa que o "salvara", no interior de Mirkwood, quando o patriarca da casa, um indivíduo que eles já suspeitavam de traição à algum tempo, apareceu e ordenou que ele entregasse o objeto. Naquele momento tudo fez sentido e ele viu que estava numa fria. Um ria passava ao lado de onde pararam, caudaloso, o Rio da Floresta. Sem pensar duas vezes, ele se jogou no rio, mesmo sem saber nadar direito (era um anão) enquanto levava flechada dos elfos. Ele morreu das flechadas e o objeto iria escapar de sua mão, mas eles pedirão um teste para ver se ele segurava o objeto com todas as suas forças mesmo morto (algo heroico, típico das histórias épicas da Terra-Média) e pedi um teste de Valour bem difícil. Não é que o cara rola uma runa de Gandalf e tem um sucesso extraordinário?

A mesa inteira vibrou! Foi uma cena incrível. O personagem morreu devido a um erro próprio, mas teve a força de vontade para se sacrificar e manter o artefato longe do inimigo, que fora recuperado quando o rio passou pelos Salões do Rei Élfico. A campanha ainda teve outras cenas incríveis, mas essa foi um das mais divertidas e épicas, na minha opinião. E quanto a vocês? Tem alguma cena de mesa de RPG que vocês acham quer vão guardar na cabeça para sempre? Conte aí pra gente!

Esta postagem foi a nº 29 do #RPGaDay! A próxima é sobre o RPG mais raro que eu tenho!


Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.