sexta-feira, 18 de dezembro de 2015

O Crânio Partido de Ar’Yeugon – Artefato Mágico para DCC RPG

Nos contos de Espada e Feitiçaria não existe bem esta distinção comum nos RPGs de fantasia tradicional entre itens mágicos (mais comuns e de menos impacto) e artefatos (mais poderosos e com impacto significativo nas histórias). Objetos encantados são únicos, estranhos, possuem uma história, um propósito, poderes únicos e consequências de se utilizá-los.

É com essa filosofia de “design” que vou criar e apresentar alguns artefatos como exemplos no Volume I do Crônicas de Bruxos & Bárbaros. Inspirando-se neles, no texto do manual básico do Dungeon Crawl Classics RPG e em alguns princípios que elencarei neste suplemento, o juiz poderá criar seus próprios objetos sem muitos problemas. O item que trago hoje teve como inspiração uma tragédia pessoal: o crânio ritual que eu tinha como “prop” de mesa quebrou. Assim, fica isto como uma homenagem.

O Crânio Partido de Ar’Yeugon

Mais conhecido como o Crânio Partido do Rei Demônio, pois ninguém se lembra do nome do Rei-Bruxo ao qual ele pertenceu, este poderoso e sinistro artefato não foi criado propositalmente, ele é uma consequência da força de vontade inexorável do maligno Rei-Bruxo que não se conforma com a sua derrota pelas forças da Ordem.

Tendo atingido a imortalidade há milênios, Ar’Yeugon reinou por gerações, escravizando dezenas de povos e realizando experimentos terríveis. Seus pactos com as entidades do Caos lhe conferiram poderes inimagináveis por mortais. Foi preciso a vinda de um escolhido pelos Deuses da Ordem para seu reinado sinistro fosse interrompido. No entanto, nem isso fora capaz de colocar um fim à sua existência. Seu poder e sua alma, ou o que restou dela, perduraram nos fragmentos de seu crânio partido em cinco pedaços.

Conscientes disto, as forças da Ordem que restaram esconderam estes fragmentos pelo mundo em fortalezas que acreditavam ser impenetráveis. No entanto, os servos do caos jamais desistiram e continuaram a buscar por estes artefatos, na esperança de juntá-los novamente e adquirir poderes imortais. Assim, tanto as forças da Ordem como as do Caos disputaram entre si esses fragmentos por milhares de anos, até que sua existência, origem e propósito se tornassem lendas esquecidas. Hoje, pouco se sabe sobre tais artefatos, a não ser que eles são uma poderosa fonte de poder.

Os fragmentos em jogo: Em termos de jogo, o possuidor dos fragmentos vai adquirindo poderes especiais a medida que coleta os pedaços do crânio. Não há uma ordem específica dos poderes que cada pedaço fornece ao usuário, com exceção do pedaço que contem os olhos do crânio (e que possuí dois rubis em seu lugar), conforme explicitado abaixo. Quanto mais fragmentos, maiores são os poderes adquiridos, porém maior também será a força e influência do Rei-Bruxo sobre o usuário. Caso alguém reúna todos os cinco pedaços e monte o crânio novamente, Ar’Yeugon retornará por completo e tomará o corpo daquele que o “invocou”.

1º fragmento: o primeiro fragmento permite ao usuário potencializar sua queimarcana, tornando-a mais eficiente. Para cada 2 pontos de atributos sacrificados, o usuário recebe um bônus de +3 ao invés de +2. Com um fragmento, o Rei-Bruxo consegue transmitir sensações ao usuário, como raiva, desejo, desdém e outras coisas. O possuidor pode resistir à influência do crânio com uma jogada de Vontade de CD 10.

2º fragmento: além dos poderes anteriores, o usuário se torna capaz de utilizar a energia vital de seus aliados para obter poder em suas magias. Na proporção de 2 pontos para cada +1 de bônus na jogada de conjuração, o usuário pode drenar pontos de atributos físicos de seus aliados, até o limite de +1 de bônus para cada nível de experiência que possuir. Os aliados devem estar dispostos a oferecer esta energia para que ele obtenha este bônus. Com dois fragmentos, Ar’Yeugon já consegue transmitir palavras simples diretamente à mente do conjurador (como a magia palavra de comando). O usuário pode resistir com uma jogada de Vont de CD 15.

3º fragmento: além dos poderes anteriores, o usuário agora pode tentar drenar energia vital daqueles ao seu redor forçosamente, obtendo uma potencialização de suas magias. Para cada 2 pontos de atributos drenados desta forma, o usuário recebe +1 de bônus na sua jogada de conjuração. A vítima pode resistir a essa habilidade com uma jogada de Fort de CD 20 menos a quantidade de pontos de atributos físicos drenados. O possuidor só pode afetar uma criatura a cada dois níveis completos de experiência (1 criatura no 2º nível, 2 no 4º, 3 no 6º’ e assim vai). Com três fragmentos, o Rei-Bruxo pode inserir frases inteiras na mente do usuário, influenciando suas ações e pensamentos caso ele falhe em uma jogada de Vont de CD 18.

4º fragmento: além dos poderes anteriores, agora o possuidor contará com a sabedoria e a habilidade do Rei-Bruxo na hora de conjurar suas magias. Todos as jogada de conjuração feitas por ele obtêm +1d na cadeia de dados. No entanto, com quatro fragmentos, Ar'Yeugon mantém contato direto com o usuário o tempo todo, podendo tomar controle de suas ações por um turno inteiro uma vez por hora de jogo se ele falhar em uma jogada de vontade de CD 20.

5º fragmento: Quando o crânio é restaurado completamente, o usuário tem uma escolha a fazer: prometer fidelidade completa ao Rei-Bruxo e permanecer com todos os poderes anteriores, ou ser aniquilado enquanto tenta resistir à influência de Ar'Yeugon. De qualquer forma, o Rei-Bruxo retorna à vida com o crânio restaurado, materializando um corpo feito de trevas sob seu crânio. O poder de Ar'Yeugon é quase o de uma divindade ou patrono e é impossível derrotá-lo de forma normal. Caberá ao juiz criar uma aventura ou campanha ao redor dele e da forma de impedi-lo de reerguer o antigo Império que dominava há milênios. Talvez viajando até os planos da Ordem em busca de um poder ou artefato para enfrentá-lo.

Os olhos: os olhos de rubis do Crânio de Ar'Yeugon possuem poderes especiais. O fragmento que os possuir pode funcionar como uma máscara se colocada sobre o rosto, mas uma vez usada, jamais poderá ser retirada, salvo por intervenções por meios mágicos. Os olhos podem ser usados para conjurar as seguintes magias com um bônus na jogada de conjuração de +5 além do bônus normal dos personagens: mísseis mágicos, segunda visão, detectar magias, localizar objetos, e raio de enfraquecimento.

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.