quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Regra Alternativa para DCC RPG: Companheiro de Aventuras

O Dungeon Crawl Classics Role Playing Game está em vias de ser publicado por aqui e é um dos meus RPG favoritos de todos os tempos. Além disso, lá fora, está para ser publicada uma adaptação oficial do cenário de Espada e Feitiçaria de Fritz Lieber (Nehwon, Lankhmar, Fafrhd e Grey Mouse) para o jogo, o que vai trazer umas possibilidades bem legais.

Como eu também sou super fã de Espada e Feitiçaria (vide meu projeto – que está hibernando mas não está morto – Bruxos & Bárbaros), acabei pensando em uma regra alternativa para o uso de Sorte nesse tipo de cenário. Como sabem, em mundos de Espada e Feitiçaria, os personagens costumam ser todo humanos, sendo as raças fantásticas reservadas para monstros e criaturas lendárias. Sendo assim, o Halfling, classe do jogo que consegue compartilhar Sorte, estaria fora do alcance dos jogadores, o que é uma pena, já que a mecânica de compartilhar sorte com seu grupo pode gerar momentos bem divertidos na mesa.

Foi então que lembrei, justamente, da relação de companheirismo de Fafhrd e Grey Mouser e da regra de Fellowship Focus do The One Ring RPG. Por que não pensar em algo parecido para o DCC RPG? Quem sabe cada pessoa do grupo tem uma ligação forte com outra que permita essa troca de energia (Sorte) e fique ligada à maneira com que cada um gasta, perde e recupera Sorte ao longo do jogo?

Companheiro de Aventuras

A vida de um aventureiro não é fácil, principalmente longe da família e dos amigos que tinha antes de abandonar tudo e seguir em busca de suas ambições arriscando a própria vida. Por isso, muitos acabam criando fortes laços com outros membros do seu grupo. Cada jogador pode escolher um Companheiro de Aventura para com o qual tem uma relação forte de amizade, confiança e cumplicidade. O ideal é que os jogadores escolham esse companheiro depois de alcançarem o primeiro nível, pois há consequências graves se o companheiro morrer, e uma aventura de nível zero pode ajudar a criar justificativas para tal laço, afinal eles sobreviveram a coisas terríveis juntos. Lembrando que não é necessário escolher um Companheiro de Aventuras, já que isso traz vantagens e desvantagens ao personagem.

Vantagens de se escolher um Companheiro de Aventuras
• O Personagem pode gastar pontos de Sorte para afetar as rolagens do companheiro como se fossem suas.
• Todo final de aventura, o personagem recupera um ponto de Sorte se ele gastou pontos de Sorte para ajudar o companheiro em uma situação dramática (à critério do juiz).
• Todo final de aventura, o personagem recupera um ponto de Sorte se o companheiro terminou a aventura vivo, sem ter ficado para morrer, ao seu lado e pode dividir uma caneca de cerveja ao lado de uma fogueira com ele.

Desvantagens de se escolher um Companheiro de Aventuras
• O personagem perde um ponto de Sorte toda vez que seu companheiro chega a zero PVs durante a aventura (mesmo que ele consiga sair vivo da situação). O momento dramático causa desespero ao personagem.
• O personagem perde 1d4 pontos de Sorte se o companheiro morrer definitivamente e tem de esperar pelo menos 1d4 semanas de tempo de jogo para escolher outro Companheiro de Aventuras.

Bem, é isso. Bem simples, mas eu acho que traz umas opções legais para o jogo e dá uma dinâmica legal para o grupo. Espero que curtam!

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.