quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Reporte de Campanha - Edge of the Empire - Assalto ao Comboio de Kari - Parte 2


Depois de longas semanas parada, a minha campanha de Edge of the Empire (Fronteira do Império) conseguiu voltar a andar, graças a entrada de dois novos jogadores no grupo (já que outros dois tem faltado bastante ao jogos). Foi até difícil para eles se lembrarem do que tinha ocorrido, o que estavam fazendo quando paramos e para onde teriam que ir (pelo visto não leem este blog).

Para quem não lembra (podem ir ler a primeira parte do reporte desta aventura aqui), os personagens dos jogadores são um grupo de mercenários/ladrões/comerciantes livres que aceita quase todo tipo de trabalho (legal ou ilegal), desde que os créditos sejam suficientes. O último trabalho que aceitaram era o do interceptar um comboio que estaria indo para Kari I e roubar um carregamento identificado com seu número registro e a identificação do Transporte exato. A informação que tinham era que se tratava de produtos farmacêuticos e que eles deveria ser entregues para um contato em Formos (essa parte os jogadores esqueceram, pelo visto).

Acontece que o grupo foi a Kira I para saber mais sobre o comboio e descobriu que a carga se tratava de remédios para tratar uma doença local que está afetando muitos dos trabalhadores do planeta. O grupo fica um pouco abalado mas ainda trabalha para convencer as autoridades locais que eles são técnicos da corporação fabricantes dos medicamentos e até conseguem entrar na nave do comboio (quando ela chega do hiper-espaço) para fazer uma vistoria. Só que quando eles estão abrindo o contêiner que tem a carga, piratas espaciais atacam o comboio e tudo vira um caos.

Foi aí que paramos na última sessão e de onde retomamos neste último domingo. Falei para eles de como o oficial que os acompanhava mudou totalmente seu foco e ordenou que todos fossem para suas posições e que estavam sobre ataque. A maioria, que era de civis, no Transporter entrou em pânico e começaram a correr para todos os lados. Eles foram deixados sozinhos lá com a carga.

Até o início da sessão, só um dos novos jogadores tinha chegado e ele fez um personagem que era usuário da força (do lado negro inclusive) e meio que um assassino. Falei com ele, então que seu personagem teria sido capturado por agente do império enquanto ela realizava uma tarefa para seu Mestre e que, possivelmente, os outros jogadores acabariam salvando-o. Como outro personagem do grupo também era usuário da força, embora não do lado negro, informei a ele que ele sentiu uma sensação estranha vindo da nave quando ela foi atacada, uma perturbação na força que ele não sabe explicar (ele é inexperiente) só que ele estava dentro da nave.

Os outros que estavam dentro do Transporter (que sacudia, tremia e soltava faíscas para todos os lados enquanto era atacado pelos piratas) trataram de pegar o carregamento que foram roubar (duas caixas grandes mas que tinham drivers que facilitavam seu carregamento) e correram para sair de lá. O problema é que eles não estavam mais acompanhados pelos oficiais que os levaram até o contêiner e aquilo parecia mais um labirinto de corredores e salas e becos sem saída do que uma nave. Mesmo assim, eles correram para a direção que imaginavam ficar o hangar em que conectaram sua nave.

Imaginei, então, que seria uma boa hora para eles acabarem entrando no corredor onde estavam guardados alguns prisioneiros. A passagem a frente deles desmoronou com um tiro e danificou uma porta que se abriu para outro corredor, que era aquele das celas. Ele estava vazio, mas ao entrarem eles ouviram gritos desesperados de dois prisioneiros pedindo ajuda para tira-los dali (afinal, tudo indicava que a nave seria destruída em breve e os personagens não tinham roupa do Império). Um deles vestia um traje surrado de piloto laranja e era um humano com aparência de uns 30 anos e outro era o personagem do novo jogador, um homem careca com roupas escuras e tal (parece que ele se inspirou no Starkiller do Force Unleashed, que eu não conheço - sim, eu não sou um profundo conhecedor do universo do Star Wars, me processem), ambos algemados e pedindo socorro, além de prometendo recompensas para salvá-los.

O raciocínio do grupo foi algo assim: Bem, se o Império os quer presos, nós os queremos livres, sem falar que eles estão oferecendo recompensa para os soltar. E pronto, eles abriram as portas das celas e estavam todos nos corredores quando um oficial com dois Stormtroopers os viu e gritou para pararem. Rajadas de blasters começaram a voar. O novo personagem, o cara do lado negro, tentou derrubar um dos Stormtroopers e sair correndo, deixando os outros para traz mas falhou feio e ainda tomou um belo tiro pelas costas. Os outros se esconderam nas celas e começaram a atirar botando apenas parte do corpo para fora. O combate durou apenas alguns segundos, mas o novo "companheiro" foi embora, se escondendo pelas sombras. Por sorte do resto do grupo, o piloto/prisioneiro sabia onde ficava a parte dos hangares e os levou para lá (e o novato os seguiu, tentando se esconder mas o pessoal sabia que ele estava lá).

Quando o grupo chegou na ponte que levava até a nave deles um tiro a acertou em cheio e uma brecha abriu na fuselagem da nave e abrindo um buraco por onde tinham que passar. O grupo optou para pedir para o integrante que ficara na nave para pegar o kit de sobrevivência a desastres para pegar uma corda e os ajudar a passar (o que custou algumas rodadas) e a brecha foi aumentando, a sucção do vácuo do espaço ficando mais forte. Com a ajuda das cordas eles até conseguiram passar as caixas e eles mesmos para o outro lado, justo no mesmo instante em que a ponte se partiu (foi por pouco mesmo). Agora dentro da nave eles ligaram os motores e partiram.

Só que, é claro, eu não ia deixar as coisas tão fáceis (meus instintos de Mestre Old School falam mais alto). Uma das naves dos piratas vai na direção deles e os ordena a parar para abordagem e, claro, o grupo não aceita e começa a tentar fugir. Os piratas, então, disparam canhões de ion para tenar desabilitar os sistemas da nave. Rodada por rodada o grupo tentava fugir e desviar a da nave enquanto atirava contra ela e a nave pirata tentando desabilitá-la.

Então, de repente, pedi para o piloto um teste de computadores para usar os sensores e ele identificou o sinal de um Star Destroyer vindo do hiper-espaço nas proximidades. Estava na hora de começarem a calcular uma rota no astronavegador para darem o fora dali. Foram algumas rodadas sendo atingidos e quase destruíram a nave pirata e então o Star Destroyer chega e libera uma enxurrada de Tie Fighters. Faltava pouco para eles saltarem pelo hiper-espaço. Um Tie Fighter destruiu a nave pirata que os perseguia e eles, finalmente, terminaram os cálculos e foram embora.

O destino escolhido foi Tatooine. Talvez porque foi o primeiro planeta que pensaram ou por se de onde eles saíram. Além disso, como não jogávamos há mais de um mês, alguns jogadores achavam que eles deveriam trazer a carga de volta para quem os contratou e não para o contato em Formos. De qualquer forma, o piloto resgatado disse que poderia ficar por ali e pagaria mil créditos assim que seus amigos chegassem. O novo membro do grupo, o Force Sensitive meio assassino falou que entraria em contato com o seu chefe para conseguir um pagamento ao grupo.

Ah, sim, nessa hora o outro jogador novo já tinha chegado e ele resolveu que iria jogar com um robô, adivinhem, assassino também. A ideia que tivemos é que o robô teria entrado na nave enquanto ela estava atracada no Transporter. O robô, que tinha como alvo algum oficial do Império, resolveu salvar seus circuitos quando a nave foi atacada e se infiltrou na fragata do grupo.

Pois bem, quando chegaram do hiper-espaço em Tatooine, perguntei para eles o que iriam fazer e eles resolveram que desceriam para o espaço-porto de Randall, onde ficava a loja do Szalay, e onde eles arrumaram uma baita confusão da última vez. Ao se aproximarem, a torre de comando pediu a identificação do grupo e eles disseram que usaram a mesma que usaram quando foram lá inicialmente (ou seja, eles disseram "ei, somos nós que causamos uma confusão e atiramos contra a cidade e oficiais do império").


O pouso, então, foi tranquilo e um mecânico local os recebeu para cobrar as taxas e oferecer os serviços de abastecimento e revisão, que foram aceitos. A tripulação deixou a nave e foi resolver seus problemas (procurar o Szalay, liberar os resgatados e tudo mais) mas o robô assassino do outro jogador ficou para trás e apenas saiu da nava depois, quando viu o mecânico chamando oficiais do Império com alguns Stormtroopers que se dirigiram para o interior da nave (que ainda continha dois personagens, dos jogadores que faltaram a sessão).

Enquanto isso, o piloto contactou seus amigos, que eram da Aliança Rebelde e um grupo chegou para pagar o combinado (e conversou com um dos personagens, trocando informações sobre contato). O robô, então, foi atrás dos outros personagens para alertá-los e a situação ficou tensa quando, ao retornarem para a nave eles se viram vítimas de uma extorsão em que o oficial exigia 3 mil créditos para deixar o grupo em paz, já que tinha motivos de sobra para prendê-los e confiscar sua nave.

Boa parte do grupo queria, simplesmente, sacar as armas e partir pra cima dos imperiais, mas eles tinham a nave (e seus canhões de laser apontando para eles) e dois de seus companheiros como reféns. Mas um dos jogadores achou mais prudente negociar com os chantagistas, pegou parte do equipamento que eles tinha na nave para revender (assim como separou parte da carga para entregar aos rebeldes para que entregassem aos necessitados em Kira I, enquanto danificou a caixa para dizer os medicamentos faltantes se quebraram.

Assim, após vender parte da carga, pegar o dinheiro que os rebeldes lhes deram e negociar um acordo de troca de favores para os imperiais, eles recuperaram a nave, seus companheiros mas aceitaram levar uma carga de "ferramentas" do oficial do Império para um pirata nas proximidades de Ord Mantell. O problema é que eles descobriram que eles também implantaram um Thermal Detonator no motores de ion da fragata.

A sessão terminou com essa descoberta e com o grupo aceitando o trabalhinho para o imperial corrupto. Acho que, agora, com dois novos jogadores a campanha tenha uma regularidade melhor. Infelizmente acho que só poderemos jogar de novo daqui a 2 domingos, mas vamos ver.

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.