quarta-feira, 7 de maio de 2014

Melhorando Atributos em Jogos Old School - Regra Caseira

De forma geral, uma das coisas que sempre me agradou nos RPGs Old School eram os limites impostos aos personagens para que eles não se tornassem super-heróis e absurdos, tanto na criação quando na evolução dos mesmos. Mesmo assim, eles ainda eram completamente jogáveis e apropriados ao nível de desafio do jogo. Não há necessidade de se ter um 18 para seu personagem se torne viável.

Uma das coisas que eu acho um pouco estranho nas versões mais recentes do Jogo da Fantasia Original é a facilidade com que os Atributos dos personagens chegavam a valores altíssimos e como ao longo do jogo eles aumentavam ainda mais, passando até dos limites humanos. Realmente, para o estilo de jogo mais super-heróico que essas versões se propõe, isso pode ser bastante apropriado, mas para um jogo de fantasia mais cru, onde os personagens tem que se virar com o que tem para enfrentar desafios maiores que eles, esse método não me parecia muito apropriado.

No entanto, ficava a pergunta (feita recentemente por um jogador na minha misa de B&B): "Existe alguma maneira de aumentar os Atributos do personagem ao longo do jogo?". A resposta inicial foi "Não, a não ser por meios sobrenaturais, já que os atributos representam um potencial natural de cada um". Mas, pensando um pouco, e se o personagem realmente se dedicasse e se esforçasse a expandir seus limites? Se ele se exercitasse muito, estudasse bastante, ele não teria como aumentar os seus Atributos, ainda que a um custo e dentro dos limites possíveis?

Foi então que comecei a pensar em um sistema adequado ao meu estilo de jogo (e acredito ao de muitos jogadores de RPGs Old School). Aumentar o valor de um Atributo passa a ser possível sim, mas não é fácil e custa tempo e dedicação do personagem, além de ter um limite.

Custo

Para se tentar aumentar um Atributo, o jogador deverá sacrificar um pouco da experiência que ele acumular em suas aventuras, e o custo vai aumentado a cada vez que ele tenta essa façanha. A partir de um determinado nível, em que o personagem já não é mais um iniciante, algo em torno do 3º ou 5º nível (dependendo da velocidade de progressão do seu jogo), ele pode gastar uma quantidade igual ao necessário para passar do 1º ao 2º nível para tentar aprimorar um Atributo. Ou seja, se fosse no meu Bruxos & Bárbaros, ao chegar no 3º nível, o jogador poderia optar por gastar 20 de XP para tentar aumentar sua Força, por exemplo. Depois disso, o personagem precisa, pelo menos, alcançar um novo nível de experiência para tentar novamente, mas agora o custo é o mesmo que passar do 2º para o 3º nível, e assim progressivamente.

Dificuldade

No entanto, não pasta pagar o custo necessário para, automaticamente, aprimorar um Atributo básico. É necessário um esforço e tempo necessário para isso. Um número de dias de treinamento (em que o personagem não pode fazer mais nada) igual ao novo valor do Atributo a ser alcançado deve ser reservado e, após esse período (que, se não for consecutivo deve ser dobrado), o jogador rola 3d6 (ou 4d6 se o seu sistema usa 4d6 para gerar os valores) e deve obter um resultado maior que seu atual valor do Atributo. Caso isso aconteça, o mesmo aumenta em 1 ponto. Caso não tenha sorte nos dados, todo seu esforço foi em vão.

Limites

É claro que tudo isso deve ter um limite. Cada jogador só pode tentar isso uma vez por nível, e cada atributo só pode ser aumentado efetivamente 4 vezes, sempre tendo o 18 como limite máximo. Lembrando que os jogadores só podem começar a tentar fazer isso uma vez que alcancem um nível intermediário para seus personagens.

Bem, esse é um sistema relativamente simples para lidar com essa possibilidade que tem alguns elementos de um jogo Old School que me agradam. Há riscos e benefícios equivalentes, nem tudo é garantido e a aleatoriedade ainda é preservada. O que acharam? Vocês utilizam algum outro método para lidar com isso em seus jogos?

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.