domingo, 4 de maio de 2014

Resenha - Star Wars Galactic Adventures - Old School com Lasers!

That's no moon, it's a space station!

Hoje é 4 de maio, ou, como alguns dos nerds falam, "May the Fourth be With You" em referência a famosa saudação do universo fantástico criado por George Lucas. É uma data que fãs por todo o mundo comemoram e homenageiam os filmes, revistas e livros que trouxeram tantas alegrias e emoções para eles.

Por aqui no Pontos de Experiência não poderia ser diferente e, hoje, eu vou fazer uma resenha de um RPG Old School feito de fã para fã, ambientado nesse universo. Star Wars Galactic Adventures (SWGA) Escrito pelo autor do site Wizardawn (um excelente site de recursos para jogos de RPG de todo tipo), o autor tenta recriar com esse jogo o clima dos RPGs da época do primeiro filme do Guerra nas Estrelas, no final da década de 70, ou seja nos primórdios do RPG.

Para começar, sendo o RPG produzido artesanalmente por um fã, ele não tem uma diagramação profissional e ilustrações primorosas (aliás, nem tem ilustrações, mas sim fotos de miniaturas). Ele é todo em preto e branco e soma apenas 74 páginas (sendo as últimas 12 apenas com compilação de tabelas, fichas e mapas). Parece pouco, mas é um RPG bem completo no espírito dos jogos Old School de outrora, não tendo tantos detalhes e mecânicas, preferindo confiar na flexibilidade do sistema e bom senso do Mestre (chamado aqui de Galactic Overlord).

A introdução do livro é breve e fala um pouco sobre o que ele é (Star Wars, claro), o que é RPG e como se usam os dados do jogo. SWGA utiliza os mesmos dados que o famoso jogo de fantasia original (d4, d6, d8, d10, d12 e d20), inclusive fazendo uso de %. Depois disso, o autor vai direto para o capítulo (chamado de Episódio) de Criação de Personagens.

Mantendo a tradição, a primeira coisa que você faz para criar seu alter ego é rolar seus atributos aleatoriamente com dados. Esse jogo utiliza o método com 4d6, descartando o menor dado, e atribuindo os valores como os jogadores quiserem. Nesse jogo os atributos são Strength (Força), Reflex (Reflexos), Endurance (Resistência), Itellect (Intelecto), Willpower (Vontade) e Personality (Personalidade). Por alguma razão, logo depois dos atributos, o livro fala sobre as Defesas (que são como as Jogadas de Proteção), que são de Energia, Força (dos Jedis e tudo mais), Radiação, Choque e Toxinas.

Seguindo com as explicações, os pontos de vida nesse jogo são chamados de Stamina e seus valores variam de acordo com as classes de personagem, classe da armadura é chamada de Proteção, Experiência são os pontos de experiência e tudo mais. Depois desses termos meio que fora de ordem, o autor nos traz as Espécies, que são como as raças dos jogos de fantasia. São 24 espécies diferentes, incluindo Droids, dando uma boa gama de opções para os jogadores, cada uma com vantagens e desvantagens em diversos aspectos do jogo.

As classes de personagem, neste jogo, são chamadas de Profissões. No Galactic Adventures nós temos os Bonty Hunters (que, parecem até rangers caçadores de humanoides); Medic (os "clérigos" do jogo, podendo curar, tratar doenças, fazer cirurgias); Pilot (especialista em pilotar naves e caças); Scoundrel (o trapaceiros no melhor estilo Han Solo); Soldier (o guerreiro do jogo, sabendo usar armamentos pesados, explosivos, armaduras); Spy (que é um espião/assassino); Jedi/Sith (os famosos guerreiros místicos do lado da luz e do lado negro); e os Force-Sensitive (usuários da força que não são Jedis). As classes são bem icônicas do universo o Guerra nas Estrelas, flexíveis e adaptáveis a vários personagens. Minha única crítica é que os Force-Sensitive, neste jogo, são apenas Ex-Jedi/Sith e não usuários de outras tradições, mas isso é facilmente corrigido.

O jogo utiliza uma progressão de experiência unificada até certo ponto. Todas as classes, menos os usuários de Força, precisam da mesma quantidade de Experiência para passar de nível (esses precisam de quse 50% mais pontos de experiência). Por fim, os personagens devem escolher uma Moralidade, que é como um alinhamento, aqui variando entre Bom, Neutro e Maligno, dessa forma influenciando as suas escolhas e a reação de outros personagens para com o seu.

O terceiro Episódio fala sobre os poderes da Força no jogo. SWGA utiliza um sistema de pontos por dia para os usuários de força (que podem variar de acordo com o atributo Vontade). Assim, um personagem com 10 pontos de Força, poderia usar dois poderes com custo de 5 pontos, ou 10 poderes com custo de 1 ponto, por exemplo. Esses poderes, por sua vez, são divididos em 3 categorias: Lado da Luz, Padrões, e Lado Negro. Dependo do tipo de personagem e sua Moralidade, o custo de pontos de Força e as consequências do uso de cada poder podem variar.

Uma coisa que achei curiosa é que, aparentemente, os personagens conhecem todos os poderes de Força e podem utilizá-los a qualquer momento, desde que possuam os pontos de Força necessários para gastar. Não sei se eu faria isso durante o meu jogo ou deixaria o personagem começar com alguns e ir aprendendo outros ao longo do jogo. Fora isso, o uso da Força é bem simples e direto, funcionando de forma muito similar às magias dos jogos de fantasia tradicionais.

No capítulo seguinte, Equipamentos, são apresentados tabelas e descrições de, praticamente, todo e qualquer item e objeto que um personagem possa querer em suas aventuras. Armas de vários tipos e tamanhos, armaduras para todas as ocasiões, equipamento geral (comunicadores, cordas plásticas, medpacs, jet packs), droids de vários tipos (bastante úteis para substituir algumas classes que não estão no grupo), veículos (como naves, transportes, speeders e tudo mais).

Depois, vem o Episódio V - Aventuras, com as regras do jogo propriamente ditas. Para quem conhece as edições clássicas do Jogo de Fantasia Original, não há muitos mistérios por aqui. Star Wars - Galactic Adventures foi criado justamente sobre essas bases. O autor, mesmo assim, explica tudo de forma clara e objetiva e ainda dá dicas para deixar o jogo com mais cara de Star Wars e menos cara de Masmorras com Lasers (basicamente, coisas de bom senso, mas podem ajudar). Fora as tradicionais regras de movimentação, combate, iluminação, carga (que é bem parecida com a minha solução no B&B), há algumas regras para jogatina, experiência diferenciada por ações características de cada classe (lembra a segunda edição de AD&D) e outras coisinhas. Combate com naves é bem abstrato como o combate normal, mas pode ser bem mortal.

O penúltimo capítulo, Criaturas e Cidadãos, traz uma lista razoável de monstros e NPCs para serem utilizados pelo Galactic Overlord na hora de criar aventuras e desafiar os jogadores. Aqui você vai encontros os clássicos Rancor, Bantha, Wampa, Jawas, Tusken e outras coisas.

Para finalizar, o Episódio VII é aquele dedicado ao Galactic Overlord, com dicas para condução do jogo e criação de aventuras no universo de George Lucas. No final, esse capítulo é mais sobre dicas e toques para tornar o jogo mais parecido com os filmes do que mais regras, bem no espírito Old School de jogo mesmo.

Star Wars - Galactic Adventures é um jogo completíssimo em pouco mais de 60 páginas, o que é uma raridade hoje em dia. Ele não é perfeito e eu faria alguns ajustes na minha mesa, mas a base é extremamente sólida e permite você vivenciar aventuras como as do filme de forma rápida e divertida, sem se preocupar em aprender novas regras e decorar centenas de detalhes. O livro não é muito bonito, mas também não é horroroso de se olhar. O custo benefício, no entanto, é infinito, já que ele é de graça e você não vai gastar um centavo para jogar! Se eu fosse vocês, corria nesse link para baixá-lo agora!

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.