quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Apêndice Nosso - Trilogia Jogos Vorazes

Todo mundo já ouviu falar do tal "Appendix N" do Dungeon Master Guide da 1ª edição do AD&D (pelo menos deveria ter ouvido). Uma lista com dezenas de nomes de autores e obras que inspiraram Gary Gygax na criação do RPG mais jogado do mundo e que explicam até muitas das razões para o jogo ser como ele é (em termos de regras inclusive). No entanto, é inegável que cada Mestre vai trazer à sua mesa suas próprias influências como livros, filmes, seriados e quadrinhos. A todo momento novas obras são criadas que podem trazer algo de novo e divertido para nossas mesas.

Essa coluna é para falar justamente disso. Hoje eu escrevo sobre uma trilogia de livros que ignorei por um bom tempo achando que não passava de mais um "romancezinho" para meninas carentes, mas que tem muito mais a oferecer do que imaginei: Jogos Vorazes. Se você ignorar o drama romântico e crise existencial da personagem principal em relação aos amores da vida dela, muita coisa ali dá para se aproveitar para uma mesa de RPG. Aliás, um mestre pode fazer uma campanha inteira baseada nesses livros, e se maquiar com uma outra roupagem, é capaz de ninguém perceber. Vamos dar uma olhada nas características mais legais da história e ver como poderíamos usar isso nos nossos jogos de fantasia.

Governo Tirano: Na história, há um governo autoritário e tirano que reprime as classes excluídas e impõe suas leis e desejos sobre todos os menos abastados. Nos livros, apenas os habitantes da capital do país tem acesso a benefícios, comida em quantidades razoáveis e direitos reais na sociedade. Os outros, que vivem longe da capital, nos distritos, são cidadãos de segunda categoria e devem servir à capital, sob pena de prisão, castigos corporais e até execução. A vontade da capital é lei, e esta pode ser alterada ao menor desejo do Presidente.

Distritos Isolados: Os Distritos, que são os lugares onde as pessoas menos afortunadas e oprimidas vivem, são isolados uns dos outros. A comunicação entre eles é proibida e punida gravemente, para evitar uma possível união entre eles contra a capital. Dessa forma, toda informação que as pessoas tem de seus compatriotas de outros distritos são rumores, e ninguém sabe ao certo o que está acontecendo. Esses locais são isolados entre si por grandes áreas selvagens, onde criaturas estranhas e monstros desenvolvidos pela capital vivem, representando um sério risco para quem os explorar.

Pessoas Forçadas a um Jogo Mortal: A maior demonstração de tirania e arbitrariedade do governo central são os tais "Jogos Vorazes". Um casal de jovens de cada um dos distritos é sorteado para participar de um jogo mortal onde só uma pessoa pode sair vitoriosa (e viva). O jogo é como um "reality show" brutal e cruel para divertir as pessoas da capital e lembrar os distritos do poder e autoridade do governo. Esse jovens são colocados em uma arena e devem lutar até a morte enquanto "Game Masters" colocam desafios e outras armadilhas para atrapalha-los (olha a influência do nosso RPG na história).

Capital tem Tudo, Distritos não possuem Nada: Como dito anteriormente, os habitantes da capital tem acesso a diversas coisas que aqueles que vivem nos Distritos. O luxo, exagero, e desperdício são normais e esperados na capital, enquanto nos distritos pessoas morrem de fome ou sobrevivem com aquilo que conseguem, tendo até que contrabandear comida e outros itens.

Distrito Secreto Rebelde: Há um Distrito que se rebelou contra a capital e teoricamente foi aniquilado por ela. Mas isso não é verdade. Esse Distrito conseguiu acesso a armas poderosas e se tornou uma ameaça à capital, conseguindo um acordo de ser esquecido por eles e esquecer deles igualmente. É claro que ao longo da história e do começo de uma nova revolução, eles vão reaparecendo e boatos vão surgindo sobre a sua existência.

Rebelião e Traidores: Uma rebelião começa a se formar com pessoas dos Distritos, do Distrito secreto e até traidores da capital. Surpreendentemente, não parece ter nenhum traidor do outro lado, ou seja, nenhum rebelde se volta para o lado da capital (o que eu teria feito diferente, afinal homens são corruptíveis). É legal ter essas conspirações, intrigas, traições, inimigos que na verdade são amigos, e amigos que se tornam seu inimigo.

Ideia para Campanha de Fantasia

E agora? Como poderíamos aproveitar essas premissas e ideias para nossa mesas de RPG? Em especial as de fantasia, que é o gênero que eu mais gosto. Bem, tenho algumas ideias e acho que daria uma boa campanha.

Que tal um reino ou continente dominado por um governo de feiticeiros cruéis e aristocratas, onde as cidades e vilar vassalas fossem obrigadas a servi-los sem questionar nenhuma ordem? E se esses magos cruéis escolhecem pequenos grupos de cada um dos reinos vassalos para serem jogados em um masmorra sinistra e sobrenatural onde só um deles poderia sair vivo? E se houvesse uma comunidade subterrânea de indivíduos se preparando para acabar com essa tirania e livra o reino da opressão dos poderosos feiticeiros?

Enfim, apenas dando "reskin", maquiada e reformatação dos personagens e locais, e se atentando para o clima de tirania, revolta, opressão, injustiça, guerra e liberdade, uma campanha pode surgir com base nos Jogos Vorazes. E vocês? Leram os livros? Gostaram dos filmes (da Jennifer Lawrance eu sei que gostaram)? Acham que tem algo aproveitável?

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.