sábado, 4 de fevereiro de 2012

Crie Vilões que Eles Amem Odiar

Por trás de todo grande heróis há um grande vilão. Esses personagens são quase tão importantes quanto os protagonistas. Aliás, sem eles, não haveria razão para a maioria das histórias serem contadas. Os antagonistas criam conflito, elemento principal do drama e que leva os personagens principais a se superarem e alcançarem seus objetivos, crescendo e melhorando a si próprios.

Um bom primeiro passo para se criar uma boa aventura ou campanha é criar um bom vilão. Um vilão que faça com que os jogadores tenham prazer em enfrentar, que eles odeiem, e que eles amem odiá-lo. Quem não gosta do Darth Vader? Ou do Lex Luthor? Ou mesmo do Coringa? Eles são vilões que todos adoram odiar, e existem motivos para isso. Mas já o Darth Maul por exemplo, pouquíssimas pessoas gostam. Por que? Porque ele não foi feito de forma que as pessoas pudessem se identificar com ele. Eu não sou nenhum gênio da literatura, mas posso passar algumas dicas de como criar vilões interessantes que possam fazer sentido para seu grupo e incentivar seus jogadores a odiá-lo.


Faça-o como a antítese dos heróis: Uma das razões pela qual eu gosto de fazer a primeira sessão do grupo uma sessão de criação de personagens e  história comum é a possibilidade  de conhecer melhor os personagens de seus jogadores e desenvolver o passado deles em conjunto. Isso permite você a criar um antagonista feito na medida para os personagens deles. As vezes você pode conectar o vilão com o passado de cada um dos personagens sem que eles tenham consciência de que o inimigo nas aventuras atuais é o mesmo que o prejudicou no passado, apenas descobrindo isso depois. Você pode, ainda, pegar tudo o que os personagens consideram importante e fazer com que o antagonista despreze e lute para acabar com as mesmas coisas, ou as dispute com os heróis. Estude os personagens de seus jogadores, seus objetivos, históricos e habilidades, e faça o vilão ser a antítese desses elementos.

Crie-os com base nos seus jogadores: O legal de um jogo de RPG é que os personagens tem suas características e seus jogadores tem outras. Assim, além de fazer com que o antagonista se oponha aos protagonistas, faça com que ele se oponha aos jogadores também. Isso é mais fácil de fazer se você conhecer o seu grupo melhor. Se você sabe que a Raquel odeia maus tratos contra animais, faça o seu vilão ser cruel com animais. Se Pedro odeia políticos corruptos, faça com que o inimigo manipule e corrompa os lideres locais. Enfim, tente descobrir o que deixa irritado, enojado e enfurecido o seu jogador e use isso para fazer com que eles odeiem seu vilão ainda mais. Só cuidado para não exagerar e eles passarem a odiar você também, mesmo que por um breve minuto.

Faça com que seja pessoal: Como eu disse na primeira dica, faça com que a história do vilão tenha ligação com a dos personagens. Talvez ele seja algum conhecido de todos eles, de um passado distante. Talvez um parente. Ou, então, faça com que ele ataque coisas queridas dos personagens, seus familiares, seus mestres, amigos. Se ele tiver que sacrificar uma cidade inteira para um ritual macabro, faça com que essa cidade seja a cidade natal do grupo, que o ajuda e o idolatra. Ou seja, ataque onde mais vai doer. Isso fará com que os personagens se envolvam mais e sintam uma motivação ainda maior para irem atrás do antagonista.

Dê uma causa ao seu vilão: Vilão que é mal pelo simples prazer de ser maligno não tem a menor graça, além de ser completamente irreal. Faça com que ele tenha uma causa, um objetivo concreto, seja ele vingança contra um mal que ele acha que tenha sofrido; seja busca por um poder que ele acredite ser seu de direito; seja a salvação de sua raça, mesmo que signifique a morte de todas as outras; ou seja a destruição do mundo como ele é para que este possa renascer se tornando algo melhor de acordo com a sua visão. O importante é ele acreditar em algo e ter uma vontade maior além de "causar o mal". Isso os torna mais reais e por consequência, torna os personagens dos jogadores mais reais também. A consequência disso é o aumento da imersão dos participantes, e uma história mais rica.

Faça com que ele pense ser o mocinho: Os vilões mais interessante, na minha opinião, são aqueles que acham que estão fazendo o certo. Eles fazem aquilo que fazem por um bem maior, pelo menos na visão distorcida deles. Pode ser que tenham um senso de justiça distorcido, ou que estejam enganados quanto a quem lhes fez mal e merece vingança. O importante é retratá-los como pessoas que realmente acreditam naquilo que estão fazendo. "O mundo que surgirá depois que esse for destruído será um mundo muito melhor e sem imperfeições", ou "A raça dos homens não merce viver, pois ameaça o equilíbrio da natureza e das energias místicas do universo". Esses são só uns exemplos de pensamentos de antagonistas que acham que suas ações levaram a algo melhor.

Crie-os parecidos com nós: Aqueles vilões que mais marcam as história e mais gostamos são aqueles com os quais conseguimos nos relacionar. Desenvolva eles com histórias e sentimentos comuns a todos nós, solidão, raiva, abandono, negligência entre outros. Uma facete dele que todos possam olhar e dizer "nossa, eu já passei por isso". As pessoas não precisam concordar com o que ele faz, mas saber que apesar de tudo ele também tem sentimentos. As vezes, se você conseguir, pode fazer com que ele seja capaz de redenção se os personagens dos jogadores fizerem tudo direito e se identificarem com os sentimentos deles. Quem não gostou da cena em que Darth Vader finalmente se redime e joga o Imperador longe?

Enfim, essas são apenas algumas dicas para fazer com que os vilões da sua mesa sejam mais interessantes e inspiradores. Caso você tenha alguma outra dica, compartilhe conosco!

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.