quarta-feira, 21 de outubro de 2015

Orcs podem ser paladinos?

Não! Quer dizer, não nas minhas campanhas e vou dizer o porquê (quem sabe você também não reconsidere). Orcs (e outros monstros por assim dizer) são monstros. Criaturas terríveis. Seres além da compreensão humana. Encarnação de nosso piores males. Representação daquilo de tememos e devemos combater. No momento em que permitimos que eles sejam como os humanos e ourtas raças civilizadas em nosso jogo, eles deixam de ser monstros. Perdem a sua principal função e o que os torna especiais. Paladinos são a representação máxima dos valores humanos. Monstros não podem ser humanos!

Já falei aqui antes sobre porque gosto de raças semi-humanas como classes específicas ao invés de apenas mais uma raça com as mesmas escolhas que os humanos. Isso as torna especiais, diferentes, únicas, e não mais uma simples variação dos humanos. Fazer isso com monstros, então, seria racionalizar e tornar compreensível algo ainda mais alienígena para gente, tirando elementos importantes para monstros, tornando-os compreensíveis e, dessa forma, menos ameaçadores.

Orcs deveriam ser criaturas terríveis, abominações na ótica dos homens. Devoradores de carne e bebedores de sangue. Representações da fúria e ódio selvagem. Servos do caos e de entidades caóticas que promovem destruição e matança. Quando eles aparecerem durante o jogo, eles devem espirar um sentimento de terror, de medo, de algo completamente alienígena e selvagem para os personagens. Afinal, eles são monstros. São a antítese do mundo natural, daquilo que compreendemos e aceitamos. Nem as crianças orcs são passíveis de comoção. Elas bebem o sangue de crianças humanas e se alimentam de suas carnes. Elas não nascem inocentes. Elas nascem do ódio!

Se há o interesse de transformar essas criaturas em algo mais humano, mais racional e mais compreensível, se o mestre quiser introduzir orcs bondosos ou jogadores com orcs, eu sugiro substituir os orcs por uma tribo de humanos selvagens e primitivos. Isso torna essa “humanização” mais completa. Agora sim haverá questões éticas e morais em se matar essas criaturas, as crianças e mulheres da tribo.

Além disso, ao se substituir monstros que deveriam ser únicos, bizarros e alienígenas aos conceitos humanos, por humanos mesmo quando se quer uma racionalização deles, os monstros restantes se tornam mais especiais, mais únicos e estranhos. Em um mundo em que os monstros são mais raros e completamente alienados da natureza humana, eles se tornam mais especiais, dignos de medo e terror para os personagens.

Aliás, eu usei os orcs como exemplo apenas. Para mim, isso vale para todos os outros monstros. Goblins são representação da crueldade e sadismo. Kobolds do egoísmo e de travessuras malignas. Gnolls são adoradores de demônios da tortura e masoquismo. Enfim. A questão é torná-los criaturas terríveis e completamente incompreensíveis à mente humana. Isso os deixa, realmente, monstruosos.

Então, dá próxima vez que você pensar em racionalizar e humanizar um monstro, pense na possibilidade de usar uma cultura de homens em seu lugar. Deixe os monstros como monstros de verdade, caso contrário eles não serão tão ameaçadores e terríveis como poderiam ser.

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.