terça-feira, 2 de dezembro de 2014

Como você prefere seu RPG? Espada e Feitiçaria ou Fantasia Épica?

Não é nenhuma novidade que o gênero de RPG mais jogado no Brasil (e no mundo, diga-se de passagem) seja a Fantasia Medieval. Mas mesmo deste universo de possibilidades ainda existem diversos gêneros e estilos de histórias que se diferenciam consideravelmente entre si e agradam a gostos bem distintos (mas nada impede de você gostar de todos eles).

Dois desses principais gêneros que mais se destacam e são, particularmente diferentes, são a Espada & Feitiçaria e a Fantasia Épica. É claro que, em alguns aspectos, esses subgêneros se sobrepõem e se torna difícil distinguir exatamente o que é o que. Nas definições que vamos discutir preferimos usar termos como "costumam ser" ou invés e "é" ou "geralmente tratam de" do que "sempre tratam". A razão disso é que esses aspectos são regra gerais e, como toda regra, possuem exceções que não necessariamente excluem um tipo de história ou aventura do tal subgênero. Sendo assim, vamos ver algumas diferenças e semelhanças entre esses dois tipos de fantasia?

Localidade: De forma geral, as histórias de espada e feitiçaria costumam focar em locais específicos e contidos em um breve espaço. Embora possam acontecer viagens longas que transpassem várias terras, o foco costuma ser os acontecimentos individuais em cada lugar ao invés de um conjunto maior de locações. Já histórias de fantasia épica tendem a envolver localidades muito mais amplas e ligá-las por meio de elementos comuns. Algo está afetando todo o mundo, todo um reino, todo um universo e a grande jornada do herói percorrerá muitos lugares interligados. Assim, normalmente o foco da espada e feitiçaria é local, enquanto o da fantasia épica é global.

Personagens: Histórias de espada e feitiçaria são comumente focadas em poucos personagens e suas peripécias que muitas vezes fogem de seu controle. Eles são jogados em uma situação ou acabam a encontrando e devem lidar com elas na melhor de suas habilidades. O foco costuma ser bastante pessoal. Por outro lado, nas histórias de fantasia épica, normalmente, apesar de haver um foco em um ou outro personagem, a história trata dos acontecimentos afetando dezenas senão centenas de personagens que tem influência no desenrolar da história. O foco, geralmente, é um pouco menos pessoal e mais coletivo.

Consequências: Da mesma forma, nas histórias de espada e feitiçaria a escala dos problemas e suas consequências costumam ser menores e mais focados nos poucos personagens sobre o qual eles tratam, mesmo quando eles estão diante de grandes demônios e feiticeiros. Já quando estamos falando de um conto de fantasia épica as consequências costuma ser bastante drásticas e afetar coisas muito além dos indivíduos envolvidos na história. Dessa forma, enquanto, comumente, os personagens de uma história de espada e feitiçaria lidam com seus próprios problemas, os heróis de uma história de fantasia épica lidam com o problema dos outros (que muitas vezes os afetam também, claro).

Moralidade: Quanto à moralidade dos personagens, é comum que aqueles dos contos de espada e feitiçaria tenham uma moral ambígua, nem sempre tão nobre e mais preocupada com si mesmo que com os demais, apesar de apresentar traços de honra e alguns traços bondosos. Por outro lado, personagens de fantasia épica costumam ser menos ambíguos e mais claros em suas opções morais, sendo bondosos por inteiro, altruístas e não é incomum colocarem os interesses dos outros acima dos seus, até se sacrificando para atender a uma demanda externa. Enquanto a moralidade é normalmente cinzenta entre os personagens de espada e feitiçaria, na fantasia épica ela é, normalmente, preta e branca.

Ambições: Enquanto os personagens de espada e feitiçaria costuma perseguir ambições pessoas que, normalmente, giram em torno de riquezas, prazeres, poder e vantagens pessoais, os personagens de fantasia épica são menos ambiciosos e se preocupam mais com pequenas coisas e querem vivem em paz mas são jogados contra acontecimentos bem maiores que eles e precisa se levantar para enfrentar os problemas. Ambição é uma marca dos personagens de espada e feitiçaria, mas o mesmo não pode ser dito de todos os personagens de fantasia épica.

No final, é claro que nem toda história se enquadra perfeitamente em cada categoria, mas esses elementos costumam demonstrar um subgênero mais explícito de uma narrativa. Nós mesmos nas nossas campanhas de RPG costumamos alternar em um tipo de narrativa e outra, mas é inegável termos preferência por um tipo ou por outra. Qual a preferência de vocês?

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.