quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Desafio de Blogs - RPGs que Marcaram Você

Devo admitir que eu não sou fã de correntes e daqueles emails que fazem chantagem emocional para você compartilhar com o máximo de pessoas possíveis prometendo mundos e fundos. Por outro lado, tem rolado uma brincadeira legal pelo Facebook com as pessoas incitando umas as outras para falar sobre os 10 jogos que mais as marcaram.

Como ninguém gosta muito de mim, ninguém me marcou para falar nada. Talvez porque, ao que parece, as pessoas só estão se referindo a jogos eletrônicos, embora em nenhum lugar esteja escrito que é para se falar apenas sobre isso (mas parece estar subentendido). Sendo assim, decidi fazer meu próprio desafio e brincadeira. Vou fazer uma lista com os 10 RPGs que mais me marcaram, explicando o porquê, e vou desafiar 3 blogs que eu curto para fazer o mesmo e continuar a campanha. O objetivo é fazer as pessoas exporem suas experiências, promoverem esses vários jogos (mostrando que existem muitos RPGs legais por aí), além de tentar interagir mais na "bloguesfera" nacional de RPG.

As Regras: Crie uma lista com os 10 RPGs que mais marcaram você e faça uma breve explicação do porque ele é importante na sua experiência. Não precisa fazer nenhum tratado sobre a metafísica por traz de cada um, tente ser breve e passar o porquê rapidamente. Escolha mais 3 blogs que goste e os desafie a fazer o mesmo.

Bem, vamos à minha lista então.

1) Tagmar: Esse foi o primeiro RPG que joguei, por isso tenho um carinho especial por ele. Como tínhamos apenas um livro e éramos, literalmente, crianças, tudo era novidade, tudo era mágico. Esse é verdadeiramente o RPG Old School nacional. Merecia uma edição comemorativa um dia.

2) Dungeons & Dragons da Grow: O primeiro RPG que eu tive e mestrei. Ele vinha em uma caixa gigante, com um mapa muito legal, miniaturas de papel, fichas e um livro com uma arte encantadora. Hoje só me resta o livro de regras, mas o guardo com carinho e ainda o jogo. Ele é descendente direto de uma das minhas versões preferidas do D&D, regras simples e focando apenas no essencial, deixando liberdade para o grupo resolver as situações durante o jogo.

3) GURPS: Surpresos? Pois é. Eu não curto GURPS, admito. Mas esse jogo me marcou ao me fazer enxergar o sistema de regras como um conjunto de ferramentas que eu posso utilizar como melhor me couber para ter um tipo de jogo que melhor me agrada. Eu não preciso segui-lo exatamente como ele foi escrito. Conscientemente (isso é importante) eu posso alterar, ignorar ou acrescentar coisas que fiquem mais de acordo com o meu gosto e o gosto do meu grupo. Ah, e sim, os suplementos de GURPS são fantásticas obras de referência!

4) Advanced Dungeons & Dragons 2ª Edição: Esse foi um dos RPGs que joguei por mais tempo e que me encantou como quase nenhum outro. Não cheguei a conhecer a 1ª edição à época, pois não tinha acesso aos livros e não sabia inglês. O forte dele, ao meu ver, não é nem tanto as regras, mas a possibilidade de customização e os cenários que eram incrivelmente ricos e variados. Dark Sun, Planescape, Spelljammer, Al-Qadin, Ravenloft e outros ainda são vividos na minha imaginação.

5) Vampiro - A Máscara: Mais um RPG que está na lista mais pelo impacto e transformação que causou no meu modo de encarar o RPG do que por eu gostar do jogo em si. Acostumado com jogos de aventura e ação, o Vampiro me fez ver um outro lado do jogo, mais sombrio, mais traiçoeiro, mais político e misterioso, algo que eu posso colocar até no D&D mais clássico.

6) FIASCO: Dali eu fui direto para FIASCO, um jogo de narrativa compartilhada quase sem regras (tem regras para controlar a narrativa). É um jogo fantástico, que te ensina a prezar mais pela história do que para o seu personagem, algo que todos podiam aprender e entender a diferença. E cara, jogar "A Vida Como Ela É" é algo indescritível!

7) The One Ring: Esse é um jogo fantástico que me mostrou que um RPG com regras clássicas e elementos de narrativa compartilhada podem coexistir. Além disso, ele é ambientado na Terra-Média de Tolkien e consegue fazer isso sem limitar a experiência de jogo por causa do cânone! As regras funcionam muito bem e conseguem reproduzir na mesa o tipo de experiência que você lê nos livros do mestre. Se você gostou de Senhor dos Anéis e o Hobbit, vai adorar esse jogo.

8) Labyrinth Lord: Meu resgate das origens do hobby e do meu passado nele mesmo começou com o Labyrinth Lord e tenho um grande carinho por esse jogo. Ele reproduz e deixa mais acessível minha edição favorita do jogo o D&D B/X do Moldvay/Cook, mas traz opções de customização e flexibilidade. Como Advanced Edition Companion você tem todas as opções do AD&D 1st Edition mas com a simplicidade e elegância do Basic D&D.

9) Advanced Dungeons & Dragons 1st Edition: Em minha busca por entender e explorar mais o Old School, procurei a obra prima do Gary Gygax e me encantei com o AD&D 1ª Edição. Não só pelo sistema do jogo customizável e clássico, mas pela sabedoria escondida entre as regras, os conceitos de jogo e o clima de fantasia pulp nas palavras de Gygax. Se você quer entender um pouco mais do tal estilo "Old School" esses são os livros a serem lidos.

10) Dungeon Crawl Classics RPG: Por fim, o Dungeon Crawl Classics RPG, o jogo que me fez me sentir empolgado como quando conheci o hobby pela primeira vez lá em 94. O jogo parece novo novamente. Dados estranhos, criaturas fantástica nunca antes vistas, aventuras sensacionais e criativas, imagens inspiradoras, regras familiares mas com toques únicos! Esse é o meu RPG favorito atualmente e que renovou meu fôlego. Ele é Old School até o talo sem se limitar a imitar D&D, ele vai além do próprio D&D!

Bem, essa é a minha lista. Sendo assim, gostaria de incitar o +Daniel Ramos Santos do Birosca Nerd, o pessoal do Saia da Masmorra (de preferência todos eles) e o +Leandro Pugliesi do RPG Notícias para fazer a deles. Espero que alguém continue a brincadeira!

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.