terça-feira, 11 de dezembro de 2012

O Jeito Certo de se Jogar RPG

Hoje vou falar sobre algo que todo RPGista deveria conhecer, seja ele jogador de RPGs "Old School", RPGs mais recentes, Jogos Narrativistas, RPGs Indies, ou qualquer outro gênero. Vou falar sobre o jeito correto de se jogar RPG. Eu sei que já houve muitas postagens por aí falando sobre o que é bom em um RPG, o que é ruim, o que funciona, o que não funciona, mas sabe de uma coisa. Eles estão todos errados. Só há uma forma correta de se jogar RPG: Se divertindo!

E isso não é opinião pessoal não (como algumas pessoas escrevem como se fosse fato), isso é FATO! Não se deixem enganar por jogadores que dizem que o sistema tal é melhor porque usa tal ou tal regra, ou que quem joga sem fazer um rolamento a noite toda não está jogando direito, ou que o RPG tal é só combate e nada mais. Isso tudo é balela e egocentrismo. Não há nada nem ninguém que determine qual é a maneira certa de se jogar, o sistema perfeito, aquele que é o verdadeiro RPG, não importa o que digam.

Se você joga RPG assumindo totalmente o papel do seu personagem, falando tudo o que ele fala em primeira pessoa, gesticulando e até mesmo usando roupas que ele usaria e, o mais importante, se diverte com isso, você está jogando direito. Se você, por outro lado, não se sente a vontade para fazer isso tudo, e está mais preocupado em sobreviver a uma expedição em uma masmorra carregando a maior quantidade de tesouros possível, mas se diverte assim também, ótimo, é isso que importa. Agora, se você é maduro e inteligente o suficiente para perceber que as duas opções são igualmente válidas e até mesmo podem se misturar, melhor ainda, você é uma pessoa sábia.

Parafraseando o Leonardo Silva da galera do Saia da Masmorra: "Sério mesmo que alguém ainda acha que tem uma forma mais madura, inteligente, ou séria, de ficar em volta de uma mesa fingindo que é um duende, um vampiro ou o Batman!?". Respondendo à pergunta, pior é que existe. Tem gente que acha que a maneira de jogar RPG é aquela que eles jogam, e que quem joga diferente ainda não aprendeu como deve ser feito. Isso é o mesmo que dizer que só há uma tática para se jogar futebol, ou que só há um gênero de literatura que preste. Ou seja, não faz o menor sentido.

O pior é que eles usam exemplos de suas próprias inabilidades a se adaptar a outros jogos como justificativa para falar que jogo tal não presta porque eles não conseguem jogar e se divertir. Eles tentam induzir as pessoas ao erro, criando uma lógica absurda a partir de seus próprios gostos. Se centenas, milhares ou mesmo milhões de pessoas se divertem com aquele jogo, como é possível que ele seja tão errado assim? E o que é o certo? Quem é que definiu isso? Alguém tem diploma, mestrado ou doutorado de crítico de RPG? Acho que não né? E mesmo se houvesse, tenho certeza que alguém que estudasse um pouco sobre isso saberia que o melhor é termos diversos gêneros e opções para se jogar, diversas maneiras de interpretar personagens, diferentes sistemas com diferentes propósitos, enfim. A diversidade é de suma importância. Sem ela não há mudança, não há inovação, renovação, criatividade, só há estagnação, repetição e monotonia.

Então é isso aí, já gastei demais o meu tempo e o tempo de vocês falando sobre isso. Toda vez que vocês forem jogar, lembrem-se de se divertir e de jogar da maneira que torna o jogo divertido para vocês. E toda vez que alguém falar que o jogo tal é ruim por causa disso, ou a sua maneira de jogar é pior, inferior ou não verdadeiramente RPGística, lembre-se de que o cara é um babaca e levante o dedo do meio para ele.

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.