quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Polícia dos Jogos - Quem precisa desses caras?

Quem nunca viu aquele chato que vem dizer que o jogo tal é uma porcaria? Ou que não se joga dessa ou daquela forma? Ou que se você não estiver fazendo isso ou aquilo não está realmente jogando RPG (ou Board Game, ou Card Game, ou qualquer outro jogo)? Pois é, esses caras estão por toda a parte, e as vezes eu mesmo me pego tentando "corrigir" alguém na maneira ou no estilo delas jogarem. Eu tento muito não fazer isso, e dizer apenas que eu prefiro jogar de tal maneira. No entanto, tem muita gente por aí que não se segura pra colocar o dedo na cara dos outros pra falar "você está jogando errado".

Mas por que diabos as pessoas fazem isso? Quem decretou a criação de Polícia da Diversão? Aliás, quem nomeou esses chatos para esses cargos tão ingratos? Provavelmente ninguém. Essas pessoas são como déspotas que tentam justificar sua autoridade por si sós. Quem as contraria ou discorda delas está errado e deve ser crucificado, ridicularizado, e a todo custo deve-se provar sua "ignorância" nem que precisem recorrer a falácias e xingamentos.

Aonde nós chegamos, hein? Esses jogos que são criados para trazer diversão às pessoas, criar momentos de interação social, criar-se amigos, e todas essas coisas legais que já conhecemos. Mas de alguma forma, quando as pessoas param para falar sobre eles acontece o contrário? Alguém surge para falar que não é aquilo e que a pessoa está errada de jogar de tal jeito. Ao invés de fazermos novos amigos e falarmos sobre algo que gostamos de forma descontraída e divertida, acabamos por entrar em uma batalha de vida ou morte uns contra os outros. Para quê? O que vai mudar na vida dessas pessoas quando a discussão terminar? Eu diria "absolutamente nada".

Eu sou a favor de uma abordagem totalmente leviana para jogos. Cada um joga o que quiser, do jeito que quiser, e ninguém tem porra nenhuma a ver com isso. Isso, é claro, desde que ninguém fala que joga assim porque de outra maneira está errada e essa é única forma de jogar. Eu por exemplo gosto das edições antigas de D&D, falo porque prefiro elas às atuais versões, dou minhas razões e é isso. As edições atuais, no entanto, são jogo extremamente válidos e jogáveis para quem gosta deles, e não há nada de errado com isso. Eles só não são "my cup of tea", como dizem os gringos.

Mas se eu tivesse que dar algum conselho de como evitar se tornar um "Policial dos Jogos" ou mesmo evitar problemas com essa corja? Bem, é algo que requer uma atenção e auto-controle particulares de cada um, mas eu vou tentar sintetizar.

Sua opinião, é só uma opinião: RPG não é ciência gente. Ao meu ver, ele está mais próximo de arte do que qualquer outra coisa, e como uma ciência humana, há vários teorias e correntes, algumas que se contradizem que falam um pouco sobre o assunto. Sendo algo bastante novo inclusive, não há nem tanta coisa estabelecida assim sobre o jogo. Sendo assim, encare suas opiniões e gostos como algo totalmente pessoal. Quando foi conversar com alguém sobre o assunto, tente deixar claro que aquilo é uma visão particular sua, e não uma verdade que você quer impor sobre os outros.

Jogos são mais do que a soma de suas regras: O que vale no jogo é a experiência que ele proporciona. Só as regras e o texto impresso em seus manuais não são o jogo e não divertem ninguém. Se alguém jogo o mesmo jogo de maneira diferente, interpreta as regras de outros maneira que não a sua, ou criou regras da casa para adaptar o jogo ao seu gosto de forma consciente, você não tem nada que falar que ela está jogando errado. Ela não está jogando exatamente como diz o manual de regras? Sim, obviamente, e ela sabe disso, você não precisa falar o óbvio. Ela está errada e desrespeitando os designers do jogo ao fazer isso? Não seja infantil, os designers estão cagando para como ela ou você joga, eles querem mais é que vocês comprem o jogo e se divirtam. O importante é a experiência divertida que ela vai ter no final.

Mas o jogo não é mais o mesmo: Com as regras modificadas o jogo não deveria mais se chamar Dungeons & Dragons e sim Bacon & Beer? E daí? Quem liga pra isso? Sua vida ou a dela vai mudar porque ela não chama mais o jogo dela de Dungeons & Dragons? Larga a mão de ser chato e deixa a pessoa chamar o que ela joga do que ela quiser, afinal, você não te nada a ver com isso. Ah, e veja a dica anterior.

Ignore quem diz o contrário: Ok, eu sei que isso é difícil. Você presenciar uma pessoa sendo estúpida e agressiva com os outros ou consigo mesmo só porque você não "joga como ela joga" é de irritar muita gente. Eu já discuti bastante por causa disso, mas cada vez mais evito esse tipo de coisa. Tento explicar o porquê de eu não concordar com ela e porque acho que outras formas de jogo também são válidas, mas se não funcionar ignoro solenemente a pessoas. Na internet, recorro até a "blocks" e outros tipos de artifício. Não vale a pena você perder nem 1 minuto com esse tipo de discussão (afinal, você poderia usar esse tempo para jogar, ler um livro ou um manual de um jogo novo, ou conversar com seus amigos sobre coisas que vocês gostam).

Para de discutir e vá fazer alguma coisa: E esse é o principal conselho, que aprendi no livro Roube como um Artista. Não perca seu tempo discutindo sobre coisas que não valem a pena e não podem acrescentar nada na sua experiência. O tempo que perdemos com coisas desnecessárias já é grande o suficiente, e se perdermos ainda mais tempo discutindo se Fulano ou Beltrano estão jogando direito, ou são hereges do RPG não vai acrescentar nada a ninguém. Ao invés disso, vá fazer alguma coisa que te deixe mais satisfeito e realizado.

Enfim, essa postagem não é de toda utilidade, é mais um desabafo de quem está cansado de ver essas coisas por aí. Gente chata que quer dizer como eu e você devemos nos divertir, e que a nossa diversão é errada porque não é igual a deles. Temos que nos libertar disso, somos melhores que isso. Viva ao RPG despretensioso e sem julgamentos! Vamos rolar mais dados e discutir menos!

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.