quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Pela CA Decrescente!

Se tem uma coisa que algumas pessoas reclamam nas edições antigas, mesmo quando curtem esse estilo de jogo mais Old School é a matemática inerente ao jogo que não é tão facilitada como nas edições mais "modernas" do mesmo. Ao invés de sempre ter que rolar o dado e esperar por um resultado alto no d20, ou sonhar com uma CA 58, algumas jogadas você precisava de números baixos, outras de números altos, e a CA era melhor quanto mais baixa fosse. E eu adoro isso.

E uma das coisas que eu mais gosto é a CA decrescente. Para algumas pessoas ela pode parecer mais complicada ou confusa, mas para mim ela faz muito sentido e é muito mais funcional e informativa que a AC crescente e ilimitada das edições recentes, e eu vou dizer porque eu acho isso. Aliás, se não fosse por insistência do +Felipe PEP o Bruxos & Bárbaros usaria uma CA decrescente de forma padrão, mas como tem muita gente chorona e preguiçosa para cálculos aritméticos simples, isso será apenas uma regra alternativa.

Entendendo Classe de Armadura: Primeiramente é importante entender que a Classe de Armadura é algo medido por numerais ordinais, e não cardinais. Essa é a lógica por traz da Classe de Armadura 2 ser melhor do que a três. Segundo vem antes de terceiro. É como você preferir viajar de primeira classe a segunda classe, ou classe econômica (entendeu como não é ilógico que uma Classe de Armadura menor seja melhor que uma maior?). Em segundo lugar, no jogo original e nas suas primeiras versões (até o AD&D 1ª edição principalmente), a Classe de Armadura indicava uma categoria, um tipo de armadura/proteção. Ela não era alterada por outros fatores, nem mesmo modificadores de destreza ou ajustes mágicos. Esse modificadores eram aplicados no número alvo para se atingir o oponente, permitindo que a CA permanecesse a mesma e possibilitando o uso de ajustes de armas conta armaduras específicas. Sem contar que não havia nenhuma CA naturalmente inatingível, mantendo até um grande guerreiro passível de ser ferido por um soldado.

É importante ter limites: Isso nos traz à outra coisa que eu gosto muito no sistema de CA decrescente, ele tem limites implícitos e explícitos. Primeiramente, havia um número limitado de Classe de Armadura indo de 9 a -9 ou 10 a -10 (dependendo da edição clássica), fazendo com não houvesse algo tão impossível de ser atingido assim por um guerreiro experiente, nada de criaturas com classe de armadura 50 vezes maior que um homem com full plate. Os números positivos são naturais, e portanto eram passíveis de serem atingidos com meios mundanos, ou seja não eram mágicos. Já a CA 0 e as classes de armadura negativas (números não naturais) eram obtidos apenas por meio de coisas, ora, não naturais. Ou seja, era claro para alguém quando estavam lidando com algo mágico, sobre-natural, estranho. Nada que fosse feito por mortais deveria ter uma CA negativa. Havia essa barreira, esse limito implícito nas regras que acho bastante informativo.

Sobrenatural, mas ainda sangra: Como dito acima, com uma divisão entre CA positiva e negativa, o limite do natural e do sobre-natural fica mais claro. Poucas coisas terão CA negativa, e mesmo se tiverem não serão tão absurdamente difícil de se atingir assim como um Deus com CA 87 nas edições recentes. Eu prefiro assim, e acho que isso reflete um pouco a literatura que influenciou o jogo. Conan, por exemplo, enfrente criaturas primais, quase Deuses, mas desde que tenham um corpo físico, ele consegue fazê-las sangrar.

Números menores: Outra vantagem, ao meu ver, do antigo sistema de CA é manter os números em um patamar mais controlado. Não haviam tantos modificadores e números muito altos (e se for da 1ª edição de AD&D pra traz, não tinha nem dezena na CA). Tudo era mais controlado e a matemática, apesar de usar números negativos, não era tão complexa ou cheia de números.

Crianças aprendem algo: Por fim, eu acho que não custa nada e é até bom as pessoas aprenderem a lidar com números negativos. Acreditem ou não, quando criança, eu aprendi um pouco de matemática tendo que me virar para saber quanto era 15 - (-2). Eu acho legal que os RPGs antigos tinham coisas que praticamente forçavam as pessoas a pesquisar e aprender algo novo para jogar.

Bem, essa postagem não é de forma alguma para falar que o certo é a CA ser decrescente, quero deixar bem claro. Eu apenas gosto dela desse jeito, acho mais charmosa e me dá mais informações do que de outra forma. E vocês? Preferem o sistema de CA crescente ou decrescente? Por que?

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.