sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Ordem dos Saudosos RPGs - Conheça o grupo OSR Brasil e junte-se a nós!


O universo dos RPGs é que nem o nosso, sempre em expansão. Todo ano dezenas (quem sabe até centenas) de novos jogos surgem, assim como enxurradas de suplementos são lançados para os jogos ainda em publicação. Alguns RPGs, no entanto, são esquecidos, substituídos por novas edições, ou simplesmente deixados para trás, para morrer no buraco negro do tempo. Mas isso não precisa acontecer, e há um grupo dedicado a fazer a memória viva desses jogos não se apagar, fazendo-os sempre presentes nas mesas de jogo e os apresentando às novas gerações.

Inspirado em grupos estrangeiros, principalmente a Dead Games Society, recentemente eu criei um grupo no Facebook e no Google+ dedicado a jogos antigos e Old Schools, e soltei a ideia de formarmos uma comunidade para promover e manter viva a memória de jogos fora de linha, não mais impressos. A intenção é bastante similar aos objetivos da OSR, mostrar que esses jogos, mesmo que fora de catálogo, são tão bons e válidos como qualquer outro, publicado ainda ou não.

Então, se você gosta de jogos antigos, Old Schools, fora de catálogos, ou simplesmente quer conhecer os tesouros do passado RPGístico, junte-se a nós. Se você tem algum RPG antigo por aí que quase ninguém joga mais mas que você curte e acha que deve ser lembrado, junte-se a nós e vá a encontros de jogadores, tanto reais como virtuais, e espalhe a glória dos Saudosos RPGs. Se depender de mim vou deixar alguns jogos sem morrer por aqui. Não sei quando vou poder mestrar todos, mas no meu repertório estarão os jogos abaixo.

Conan RPG da TSR: Um jogo típico da década de 80 que usa uma tabela unificada para resolução de ações (tipo Tagmar). O sistema usa dados de porcentagem mas é bem simples e flexível. Não há classes de personagem e o sistema é baseado em perícias. O mundo é o do nosso querido Conan, o Bárbaro. Há uma postagem com uma resenha completa desse jogo aqui.

Dragon Warriors: Um RPG de fantasia mais dark com toques de Espada e Feitiçaria também da década de 80. É um rival britânico do D&D, e que ao meu ver bate pau-a-pau com o nosso querido jogo criado por Gygax e Anerson. Ele tem um sistema que parece um Advanced "Advanced Fighting Fantasy" que usa dados poliédricos que nem D&D, mas não da mesma forma que esse. Há uma resenha completa desse jogo aqui.

Advanced Fighting Fantasy: Outro jogo dos anos 80, popularizado graças aos livros jogos. Esse sistema foi lançado aqui no Brasil pelo livro Dungeoneer e teve outras publicações mas morreu nos anos 90. Agora ele está voltando, sendo republicado pela Arion Games e tem coisa nova sendo produzida para ele. É um jogo bem simples e com ampla oportunidade para criação própria.

Original D&D: A primeira versão do Dungeons & Dragons publicada em 1974. É um jogo bastante simples, embora confusamente escrito. É o D&D na sua pureza, inspirado em contos do Appendix N, fantasia pulp, e sem muitas firulas. Um jogo rápido, furioso, e divertio.

D&D B/X: Minha versão preferida das regras do D&D. Simples e elegante sem muitas firulas, mas com carne nos ossos. É uma versão teoricamente para iniciantes mas você realmente não precisa de muito para para jogar. Há uma resenha dessa versão aqui.

AD&D 1ª e 2ª Edições: Sim, há diferença entre elas, tanto de regras, como de tom e espírito em algumas partes. Mas agrupei as duas aqui por comodidade (e preguiça talvez). A minha favorita é a 1ª edição, talvez nem tanto pelas regras que em algumas partes serem um pouco confusas (algo que geralmente ignoro), mas pela prosa prazerosa do Gary Gygax que escreveu os livros e toda a sabedoria acumulada nas páginas desses tomos. A segunda edição tem muita coisa boa também, mas tenho certa implicância com a enxurrada de Kits e regras com os suplementos posteriormente.

Empire of the Petal Throne: Uma variação do OD&D que leva em consideração um cenário riquíssimo e totalmente pulp. A obra do autor, M. A. R. Barker é comparada à de J. R. R. Tolkien, com a diferença de que o último criou literatura para o seu mundo, e o primeiro se focou em um jogo de RPG. Já deu para sentir que a coisa é séria né? É um mundo medieval com aliens, naves-espaciais e espécies estranhas, mas ainda assim, é muito mais que isso.

Star Wars D6: Eu adorei o novo Star Wars da FFG, mas o Star Wars da West End Games ainda mantém seu charme e a sua completude. Esse RPG, além de reproduzir o universo de George Lucas nas mesas de jogo, contribuiu para sua expansão, dando origens a histórias e contos do universo expandido.

Desafio dos Bandeirantes: Esse é o meu RPG Old School nacional favorito (fora o Bruxos & Bárbaros, claro). O sistema não é nada inovador mas bastante solto, mas o cenário é muito querido e divertido. Uma Terra fantasiosa baseada no nosso passado colonial, com todas as suas idiossincrasias, mitos, e tudo mais.

Bem, esses são só algumas das velharias que tenho por aqui, e são aqueles que estou mais familiarizado para mestrar e jogar. Há outros que posso terminar de ler ou que estão em PDF, mas isso é papo para outra postagem. E vocês? Que tesouros esquecidos vocês têm em suas masmorras e que levam para a luz da civilização moderna?

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.