sábado, 12 de janeiro de 2013

Guia para Aventureiros - Preparativos para a Aventura

Ser um aventureiro não é fácil. Se fosse, pouquíssimas pessoas continuariam com suas pacatas vidas de camponeses, ferreiros, taverneiros e nobres. Ser um explorador de masmorras, matador de monstros, desvendador de mistérios pode trazer muitas recompensas como ouro, fama, glória, poder, mulheres e várias outras coisas. Mas os perigos associados a essa vida são muitos, e em cada 10 aventureiros que colocam o pé para fora de suas comunidades, apenas 1 retorna com vida, e nem sempre trazendo essas recompensas.

Então, o quê faz com que esse único indivíduo consiga sobreviver e alcançar seus objetivos? O quê diferencia esse corajoso homem (ou mulher) dos demais? Será somente sorte? Favor dos Deuses? Nem sempre. Algumas coisas e procedimentos simples podem fazer grande diferença entre o sucesso e o fracasso de uma expedição de aventureiros. Essa postagem, e outras subsequentes, irão mostrar o que pode ser feito para se garantir maiores chances de se retornar a civilização com vida, e carregando todos os tesouros que os aventureiros consigam carregar.

A primeira coisa que um grupo de intrépidos exploradores precisam fazer é se preparar para a aventura que terão, e isso não inclui somente uma boa alimentação e um equipamento adequado (embora falaremos disse depois). A coisa mais básica e importante que eles irão precisar é informação, e esta pode vir ao encontro deles de diversas formas, formatos e fontes diferentes. Algumas mais úteis do que outras, mas todas importantes.

Sábios e Bibliotecas: Caso o grupo tenha acesso a ouro e tesouros capazes de pagar o serviço desses homens ou para obter acesso a esses templos do conhecimento, estes são ótimos lugares para se buscar informações sobre ruínas, regiões, monstros, tesouros e diversos outros assuntos. O custo não é baixo, fato, mas o que pode ser descoberto por aqui tende a ser mais confiável do que em outras fontes. É verdade que a maioria das coisas não valerá mais muita coisa, já que os registros são antigos e as histórias quase esquecidas, mas, com sorte, é possível encontrar informações que podem salvar sua vida no momento certo.

Folclore Local: Tão importante quanto a busca por sábios é a obtenção de informações com a população local e próxima do local onde os aventureiros pretendem ir. Algum caçador ou mesmo comerciante local pode ser capaz, até, de desenhar um mapa da região para ajudar os aventureiros em sua jornada. Alguns agrados podem ajudar a soltar a lingua dessas pessoas e, dessa forma, o grupo pode ter uma ideia melhor do que os aguarda em seu caminho e evitar surpresas desagradáveis, como tocas de criaturas ferozes de territórios de tribos selvagens. Quem sabe até não se descobre um caminho mais curto e seguro para o destino desejado.

Lendas e Rumores: Uma ida á taverna local a noite também pode trazer bastante informação útil, na forma de lendas e rumores. A maioria delas será mentira e invenções absurdas, mas algumas poucas terão alguma verdade que podem ser reveladoras de mistérios sinistros. É difícil, inicialmente, diferenciar os dois tipos, mas com o tempo os aventureiros aprenderão a identificar cada uma delas. Quando disserem "Alguém disse que...", deve-se perguntar quem é esse alguém e ir atrás da fonte, até que se consiga identificar a fonte do rumor. Muitas vezes a origem desses relator terá vindo de viajantes, pessoas já falecidas e menestréis andantes, mas essa busca pode trazer alguns frutos muito bons para o grupo e informações sem nenhum distorção quando eles encontrarem quem começou os boatos.

Contratados: Um bom investimento é contratar alguma ajuda local. Mesmo nos menores vilarejos sempre há um ou outro indivíduo com coragem e ambição suficientes para aceitar uma missão perigosa em troca de ouro e tesouros. Carregadores de tochas e equipamentos, guardadores de cavalos, mercenários, caçadores, batedores e guias, todos eles podem ser bastante úteis para o sucesso de uma empreitada. Há ainda os mercenários que podem ajudar o grupo a enfrentar os perigos sinistros que os aguardam, embora esses custem mais caro e acabem querendo uma parcela maior do tesouro encontrado. Uma consideração importante deve ser feita, no entanto. Procure conhecer bem as pessoas que você leva para dentro de uma masmorra. Descubra o que a população local acha delas e como o seu caráter é julgado. Não é incomum histórias de aventureiros que encontraram sua morte nas mãos de gananciosos mercenários que resolveram tirar do caminho seus patrões enquanto dormiam para fugir com todo o tesouro. De qualquer forma, esses contratados fazem uma boa diferença, nem que seja para serem mais um alvo dos ataques das criaturas nefastas que o grupo encontrará pelo caminho. Tem um artigo no Módulos RPG do Rafael Beltrame que fala bem da importância e diferença que faz ter esses contratados no grupo.

Bem, isso é tudo por hoje. Na próxima postagem do Guia para Aventureiros abordaremos que tipo de equipamento pode fazer a diferença entre a vida e a morte de exploradores de masmorras, caçadores de tesouros e exterminadores de monstros nos mundos fantásticos do RPG. E vocês de que forma se preparam para suas aventuras?

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.