terça-feira, 31 de julho de 2012

Desabafo e Dicas para não ser um Orc

Infelizmente, a postagem de hoje não vai ser com dicas, sugestões, resenhas ou utilidades práticas para mesas de RPG. Talvez vá ser uma das postagens mais chatas que eu já fiz e vou fazer, mas cheguei a um ponto que não aguentei ficar mais calado. Não sei se estou com raiva, tristeza ou decepcionado, mas cansei dessas pessoas, dentro do nosso hobby, que querem aparecer e se mostrar os maiorais pisando em cima dos outros, fazendo piadinhas depreciativas gratuitamente, falando que fulano e fulano jogam errado e que não sabem nada.

Eu, sinceramente, esperava mais de nós, RPGistas. Afinal, somos alvo de preconceitos, violência e descriminação de muita gente que não entende o jogo. Sabemos o quanto é ruim sofrer agressão gratuita (não necessariamente física). Além disso, como para jogar RPG a gente se inspira muito em livros, lê os manuais de regras e busca conhecer mais dos universos fantásticos nos quais eles são baseados, acreditava que eramos um grupo um pouco mais esclarecido, com um cultura um pouco mais desenvolvida que a média. Sem contar que sendo o jogo uma atividade social, o natural seria aprendermos a viver em grupos, sociedade, sermos tolerantes e amigáveis uns com os outros. Bem, ledo engano meu.

É claro que a grande maioria dos RPGistas que eu conheço são gente boníssima. Mas não é difícil eu encontrar uns monstros abomináveis por aí, que não perdem uma oportunidade de botar os outros RPGístas para baixo, a fim de parecem sabixões maiorais sobre o RPG (como se o nosso hobby fosse uma ciência exata e houvesse jeito certo ou errado de jogar). Vocês sabem quem são essas pessoas. Todos nós já as vimos e até sabemos quem são. São figurinhas conhecidas, até porque elas fazem isso para aparecer mesmo. São aqueles caras que quando alguém posta algo que fez, que está desenvolvendo, ele olha só o título (não se dá ao trabalho de ir até o material em si) e comenta algo como "para ser 100% pop, só faltou zumbis", ou outros comentários apenas negativos, sem oferecer nada em troca.

E isso resume muito bem o comportamento geral dessas pessoas. Elas são as primeiras a comentar qualquer coisa, mas geralmente se baseiam em apenas uma pequena parte que, por alguma razão, desagradou a eles, e tecem comentários estritamente negativos. Não são críticas construtivas. Eles não falam "olha, vi o que você fez, mas já pensou em dar uma olhada em "não sei o quê"? Eles tem algo parecido que pode funcionar bem". Eles vão falar "Bah, muito ruim. O "não sei o quê" é muito melhor". Percebem a diferença? Uma vez eu fiz uma postagem sobre uma aventura que iria mestrar em um RPG de fantasia (não medieval), e um cara veio falando que eu estava desviando o propósito do jogo sem nem saber como era a aventura direito. O cara não tentou saber um pouco mais do meu jogo, ele já chegou "na voadora" dizendo que eu estava fazendo errado (aliás, cá entre nós, não existe maneira certa ou errada de jogar RPG, né?). Já deu para entender o espírito, né? São pessoas que tem uma ânsia enorme de se meter em todos os assuntos, porque acham e querem parecer conhecedoras absolutas de tudo, mas para rebaixar os outros e se mostrarem superiores. Elas estão ali para falar, "olha, vocês não sabem nada, eu sei tudo, eu estou certo", ou resumindo para um linguagem que essas pessoas entendem "eu sou melhor que você por isso". Desculpa, mas eu tenho nojo dessas pessoas.

No início eu tentava argumentar com elas, as vezes discutia mesmo, mas isso cansa. Acaba que vez ou outra vou adicionando mais pessoas na lista de "ignore", bloqueando-as. E agora estou eu aqui, fazendo uma postagem justamente falando dessas pessoas. Pensando bem, isso só deve deixar elas mais felizes e satisfeitas de estarem sendo notadas. Mas sabe de uma coisa, vou usar isso para tentar dar uns conselhos para elas (não que elas vão seguir, mas é um bom exercício para extravasar esse sentimento ruim que elas me causam).

1. Se você não tem nada para acrescentar, não fale nada: Se alguém simplesmente falar "Eu gosto muito de D&D", ninguém esta perguntando se você gosta também ou se você odeia. Você não precisa ir lá e falar "D&D é uma merda, só idiotas gostam de D&D". Aliás, mesmo se tu perguntassem o que você acha, há maneira muito mais civilizadas de dar sua opinião (vide dica 5). Se você não tem nada a contribuir ao tópico, e está só querendo provocar, debochar e contrariar alguém sem oferecer nenhuma alternativa em troca (de forma que a pessoa escutaria), é melhor seguir para a dica dois.

2. Pense por que você vai falar o que quer dizer: Se você vai falar algo apenas para parecer inteligente, contrariar alguém, ou desmerecer o trabalho dos outros, pense se alguém, além de você, vai querer ouvir sua opinião. Além disso, tente fazer com que a sua opinião seja útil. Critique para produzir melhoras e não apenas para falar mal, isso não serve para nada. 

3. Tente ajudar ao invés de tentar machucar: Isso nos leva a essa dica. Tente ser útil a sociedade. Não vale nada ficar falando mal de tudo e todos por aí porque você é o maioral se você não tenta ajudar essas pessoas a melhorarem e não produz nada também. Já cansei de ver uma galera produzindo suplementos e jogos independentes, e os outros nem olham como é o jogo e já sentam o pau, falando que é cópia, plágio e tudo mais. Gente, me desculpa então, qualquer jogo de fantasia medieval é plágio de D&D então. Não é assim né? Mesmo que as pessoas peguem temas, ideias, e referencias parecidas com outro jogo, os jogos serão diferentes e é legal conhecer a visão de várias pessoas sobre um mesmo assunto. Se não gostar, tente dar sugestões que acha que tornaria o jogo melhor. Falar simplesmente que é uma merda não acrescente nada.

4. Transmita seus pensamentos sem agredir: Aliás, se possível, nunca diga que algo está uma merda. Se você quer ser ouvido ou que alguma pessoa considere algo que você diz, fale como uma pessoa normal, e não como um orc selvagem e monstruoso. Sua opinião não é mais importante do que a de nenhuma outra pessoa, é importante entender isso. O que você acha a pior coisa do mundo, pode ser a melhor para outra pessoa e não há nada de errado nisso (há não ser o fato de você achar que há).

5. Não seja um Orc: Essa dica é o resumo. Não seja um babaca. Não agrida as pessoas gratuitamente. Não se ache mais importante que os outros. Ninguém é dono da verdade. As pessoas não precisam gostar das mesmas coisas que você.

Enfim, acho que já deu né? Espero que vocês não presenciem essas coisas constantemente, e vou tentar fazer pouquíssimas postagens desse tipo por aqui. Meu objeto não é reclamar somente, mas trazer coisas interessantes para mais pessoas, mostrar coisas novas e oferecer algo para todos.

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.