terça-feira, 9 de outubro de 2012

Reporte - Fiasco - A Vida Como Ela É

Há algumas semanas, rolou aqui em casa uma partida de Fiasco (que você pode conhecer um pouco mais por essa resenha) utilizando um "playset" nacional, o "A Vida Como Ela É" (inspirado nas obras de Nelson Rodrigues). Que, aliás, são histórias que se encaixam perfeitamente com o clima de Fiasco. Pessoas adúlteras, famílias desfuncionais, filhas rebeldes, filha que se finge de santinha, ladrões baratos, relações incestuosas, enfim, uma verdadeira confusão, que sempre leva a um Fiasco.

Assim, eu, minha esposa e um casal amigo nosso (Ana e Luiz), nos sentamos à mesa e começamos a Preparação. Essa parte é bem divertida e o pessoal se divertiu bastante só de ficar lendo e escolhendo as diversas possibilidades de relações, necessidades, locações e objetos. No final acabamos com a seguinte configuração: Tínhamos uma filha safada, que se fingia santinha para o pai pobre, conhecida como "Santinha". Um pai que tinha duas famílias, o "Seu Herculano", uma pobre a outra rica, contra a qual queria dar um golpe do baú. A filha rica rebelde, "Adelaide", que detestava o padrasto e sua rigorosidade. E o ladrãozinho boliviano virgem, chamado de "Miguelito", vivendo no quartinho dos fundos da casa da família pobre. Aliás, atrás dessa casa ficava um bordel, onde meninas se prostituíam, e para onde Miguel fez um buraco na parede, de modo a ver o que acontecia lá dentro. Santinha só pensava em uma coisa, e era fazer sacanagens com os inquilinos do pai dela, sem ele ficar sabendo e deixando os primeiro bastante encrencados. Sinceramente, não lembro o objeto que sorteamos na história, mas ele não teve muita importância e acabou sendo esquecido. Ou seja, nem tudo que você sorteia na fase de preparação precisa ser usado. Nós já tínhamos elementos tão legais e ricos, que a história se formou ao redor deles e o objeto acabou sendo deixado de lado.

A história, então, foi desenvolvida por nós com foco nesses elementos, girando na obsessão do Seu Herculano em ficar rico dando o golpe, na vontade da Santinha de dar para o Miguel, na paixão do Miguel que surge pela Adelaide, que, revoltada, acaba indo se prostituir no bordel. Sendo assim, vou passar a narrar a história como eu me lembro dela.

Em uma casa humilde no subúrbio do Rio de Janeiro, Seu Herculano vive com sua querida filha, a quem ele chama de Santinha, uma menina de apenas 16 anos de idade, que frequenta a igreja todos os dias. Seu Herculano aluga o quarto dos fundos para Miguel, um boliviano, que chegou ao Brasil a pouco tempo e ainda está... procurando o seu lugar por aqui. Tudo isso seria normal, se não fosse pela sujeirada que se esconde por trás das aparências.

Seu Herculano tem uma vida dupla, duas famílias. Aquela, de pai viúvo com a Santinha, e uma outra, como Seu Herculano, casado do Dona Marinete, uma emergente da Barra da Tijuca, padastro da Adelaide, uma moça de 18 anos, que o odiava, já que ele a tratava de forma muito rigorosa e não fazia suas vontades, como sua mãe fizera por muito tempo, até ele aparecer. Seu Herculano planejava, ao seu tempo, dar um fim na Dona Marinete e ficar com todo o dinheiro que ela tinha. Talvez fosse por isso que ele não deixava Adelaide gastar um centavo.

A moça, por outro lado, não era boba nem nada. Se ele não quisesse dar dinheiro para ela se divertir e fazer suas coisas, não tinha problema, ela arrumaria seu próprio dinheiro, e de uma forma que humilhasse e deixasse Herculano muito irritado. E que melhor forma do que se tornar prostituta no bordel. Bordel esse que, por coincidência, ficava logo atrás da casa em que seu padrasto morava com Santinha, e, por enquanto, Miguel. Que, aliás, ao ver Adelaide pelo buraco na parede, se apaixona imediatamente.

Agora, falando deste boliviano perdido no Brasil, ele não é uma das pessoas mais corretas, também. Miguel é um ladrãozinho barato, de meia tigela, que vive de pequenos golpes e furtos, sonhando, um dia, ganhar uma bolada para, quem sabe, conquistar a mulher que ama. Que até pouco tempo, não era ninguém, até Adelaide entrar no bordel. Agora, tem um problema. Além de pobre, Miguelito era virgem e sem o menor jeito com mulheres. Mas esse problema, Santinha resolveria rapidamente.

A filha pobre de Herculano, aos olhos do pai, era, literalmente, uma santa. Bem educada, estudiosa, ia a igreja todos os dias. Entretanto, quando o pai não estava por perto, ela mostrava realmente quem era. A vítima da santa, dessa vez, seria Miguel. Ela adorava deixá-lo constrangido na mesa de jantar enquanto roçava suas pernas contra as dele. Fazia questão de esquecer de trancar a porta e deixá-lo entrar no banheiro enquanto ela tomava banho. Mas ela estava cansando das brincadeiras e decidira que estava chegando a hora de tomá-lo para si.

Assim, em uma certa noite, Seu Herculano estava se preparando para sair da casa do subúrbio para ir até a Barra da Tijuca, para sua segunda família. Como de costume, disse à Santinha que estava indo trabalhar como segurança e, essa, sem motivo para duvidar e ansiosa para que o pai fosse embora, deu-lhe um beijo na bochecha, preparou um café para o pai e se despediu do mesmo. Assim, que ele saiu porta a fora, Santinha correu para o quarto dos fundos, a fim de esperar pela chegada de Miguel, deitada em sua cama.

Quando este chegou e, aparentemente, viu a casa vazia, pensou logo que poderia ir observar o bordel pelo buraco da parede. Mas ao entrar em seu quarto, deu de cara com a filha do dono da casa, deitada em sua cama chamando-o de "Miguelzinho". Sem jeito, como ele era, Miguel apenas conseguiu gaguejar e pedir para que ela saísse de lá, que seu pai logo chegaria, e que ele o mataria se a pegasse com ela. Isso ao mesmo tempo em que tentava se desvincilhar dos braços da menina que o acariciavam. Sem achar outra solução, Miguel foge porta a fora, para qualquer lugar, longe dali.

Sem ter para onde ir, e com vontade de ver a sua amada, Miguel vai até o Bordel. Lá dentro ele vê Adelaide, sentada no bar, esperando algum cliente, tomando uma bebida colorida. Ele, então, senta-se do lado dela e fica calado, nervoso, sem saber o que dizer. Ela, esperta, logo pergunta se ele não quer pagar uma bebida para ela, o que ele faz sem pensar muito, apenas para descobrir que estava sem nenhum dinheiro no bolso. Quando Adelaide o chama para ir para um quarto e fala o preço da noite, o boliviano revela que está sem dinheiro algum, chamando a atenção de um segurança para si, que logo pega e o joga para fora do lugar, isso depois de dar-lhe uns bons pontapés.

Sangrando, desolado e obcecado, Miguel decide esperar Adelaide sair do Bordel e segui-la, o que só acontece quando é quase manhã. Ele entra no mesmo ônibus da moça e vai com ela até a Barra da Tijuca, onde a persegue até a porta de casa. Chegando lá, quem ele vê esperando a moça chegar em casa? Seu Herculano, com um cinto na mão, vestido de forma totalmente diferente do que ele estava acostumado. O mais estranho foi ouvir ele chamando a Adelaide de filha e dando ordens a ela. Ele ficou ali, vendo tudo aquilo, perplexo, não acreditando no que estava vendo. Logo a moça entrou na casa, furiosa e Seu Herculano ia logo atrás, até que pareceu ver algo. Ele viu Miguel escondido atrás do poste.

Seu Herculano, disfarçadamente, foi em direção ao boliviano que seguira sua enteada para saber o que ele estava fazendo ali, e o que ele sabia. Para sua desagradável surpresa, ele tinha ouvido tudo, e agora queria saber o que estava acontecendo. Com medo de que Miguel desse com a língua nos dentes, Herculano explicou o que estava acontecendo, seus planos para o golpe e toda a história, mas o fez prometer que não contasse nada, em troca de parte da grana que ele conseguiria. Vendo nisso a oportunidade de conquistar Adelaide, Miguel aceitou, e os dois se tornaram cúmplices. Os dois, então, bolaram um plano que botariam e execução no próximo feriado. Um plano perfeito, se não fosse por uma falha, o nervosismo de Miguel frente ao sexo oposto.

Alguns dias antes da data planejada, Miguel acabou ficando sozinho com Santinha em casa e, como era de costume, a menina logo foi se oferecer para ele. Só que dessa vez, ela entrou no quarto, trancou a porta e ficou completamente nua. Suando frio, e desesperado, Miguel não teve outra alternativa para escapar de Santinha sem ser contar para ela o que ele tinha vista, sobre a segunda família do pai da menina, a família rica. Santinha ficou em choque, sem acreditar, mas Miguel disse que podia provar, que dava o endereço para ela ver com os próprios olhos dela. E foi isso que ela foi fazer, no mesmo dia.

Em pouco tempo ela chegava na Barra, na exata hora em que Adelaide estava para sair para trabalhar no Bordel. Esta, logo reconheceu a menina do subúrbio e pergunto o que ela fazia ali, na porta de sua casa. Santinha, então, explicou tudo, a história das duas famílias, a mentira do emprego de segurança e o que Miguel viu. Adelaide, ansiosa por achar algum podre na vida do padrasto convidou a menina para entrar na casa e ver uma foto do marido de sua mãe. Lá estava a foto de seu pai, abraçado com outra mulher que não sua falecida mãe. Aquilo acendeu uma fúria que ela nunca pensou que possuísse. Elas, agora, queriam vingança, e estavam apenas esperando o momento certo para consegui-la

Enquanto isso, sem saber de nada, Seu Herculano começava a botar o plano em prática. No feriado de Nossa Senhora, ele levaria Dona Marinete e Adelaide para viajar, enquanto Miguel entraria pela porta dos fundos da casa e roubaria todas as jóias e o dinheiro guardado no cofre da família. Mal sabia ele que Adelaide chamara uma amiguinha para ir com eles na viagem.

Quando eles chegaram no aeroporto para viajar e a moça disse que a amiga dela já estava ali, esperando, foi que ele viu tratar-se de Santinha. Seus olhos arregalaram-se e sua pela ficou branca como a de um fantasma. Perguntando sobre o que havia acontecido, ele não sabia o que dizer além de "nada, nada". E, assim, foram os quatro no avião para Miami, onde as duas pretendiam infernizar a vida dele até que ele contasse a verdade para Dona Marinete.

Na noite seguinte, Miguelito foi até a casa da Barra e entrou pela porta dos fundos que Herculano tinha deixado destrancada. "Quanto luxo" pensou ele. E antes que ele pudesse pegar as coisas do cofre ele já se distraiu bebendo whiskey, fumando charuto e ouvindo música de "granfino".  E foi assim que tudo deu errado. Bêbado e com charuto na mãe, o boliviano acabou botando fogo na casa, e só saiu vivo de lá por pura sorte. Ele não conseguiu roubar nada de valor, só porcarias, bijuterias e pequenas coisas. Isso teria sido um desastre, se não fosse por um detalhe.

Em Miami, Herculano estava sendo pressionado pelas filhas a contar tudo ou ir embora e desaparecer, até que ele recebe uma mensagem no celular avisando do depósito do seguro da casa no valor de milhões de reais. Sem pensar duas vezes, Herculano diz então que irá embora e cancela as passagens de volta e os cartões de crédito das filhas e da Dona Marinete. Em seguida ele vai para o aeroporto e voa para Bahamas, onde pretende viver tranquilamente com toda a grana que conseguiu, depois de entregar a parte que devia à Miguel.

Esse, lá no Brasil, quando recebe a sua parte da grana, compra o Bordel e começa a ganhar dinheiro como cafetão. Só que ele nunca esqueceu de Adelaide e passa muito tempo tentando descobrir o que aconteceu com ela. Até que ele descobre que ela e Santinha estão presas em Miami, ilegalmente trabalhando de garçonetes. Ele, então as resgata e as emprega no Bordel, tornando-se patrão e amante das duas.

Bem, deu para ver que loucura que são as histórias de Fiasco né? Confusão, balburdia, escândalo e tudo que uma boa história tem direito. O "playset" A Vida Como Ela É é bem a cara do jogo e é um dos meus favoritos. Quem quiser, pode baixar ele no site da Retropunk e na RPGNow.

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.