terça-feira, 4 de novembro de 2014

Reporte de Campanha - Edge of the Empire - Assalto ao Comboio de Kari

Como disse na última postagem, o One-Shot de Edge of the Empire no Saia da Masmorra foi tão legal que acabou levando ao início de uma campanha (fora do Saia da Masmorra, porque acredito que eventos não devam ter mesas fechadas). Então, no sábado passado, quatro amigos meus vieram aqui em casa, dois dos quais já tinham jogado a primeira aventura no Saia da Masmorra, e começamos uma campanha que eu espero que dure um tempinho, já que esse jogo é bom demais para parar de jogar.

Os jogadores que já tinham jogado o RPG no Saia da Masmorra quiseram continuar com os personagens que jogaram lá e seguir a campanha a partir do final daquela aventura (malandramente, já que eles já tinham uns 50 pontos a mais que um personagem iniciante normal, mas dei aumentei a obligation do grupo em troca). Sendo assim, os novos jogadores tiveram que fazer personagens novos com alguns pontos a mais também (enquanto quem resolveu ficar com os do SdM chuparam dedo). Como não estávamos em um evento, tive mais tempo para explicar as mecânicas do jogo com calma, falando sobre a função de cada dado, cálculo da parada de dados, dificuldades e tudo mais.

No final, o elenco do grupo ficou assim: Gavon Nah, um humano fringer force sensitive que era um jovem padawan quando a ordem 66 foi dada mas seu mestre se sacrificou para salvá-lo e agora ele vive escondido e sobrevivendo como pode; Darius Saiut, um bothan slicer que teve que sair de Bothawui porque um rival o traiu e o incriminou com o Império; Quill, um twi'lek político procurado como criminoso por um crime que ele não cometeu (pelo menos é que ele diz); e um bounty hunter humano ainda sem nome que abandonou o Império com ambições de se juntar aos Rebeldes mas não teve muito sucesso nessa empreitada.

Quando começamos, informei que algumas semanas já haviam se passado desde o resgate desesperado em Coruscant. Os rebeldes pagaram a eles 4000 créditos pela ajuda e falaram que deveriam manter uma certa distância para não atrair atenção do Império. O grupo estava novamente a procura de trabalho e dinheiro, afinal tinham que abastecer a nave, fazer reparos e tudo mais.

Foi então que os informei de que receberam um comunicado vindo de Tatooine, Sza'lay um comerciante que costumava contratá-los para pequenos trabalhos de transporte de mantimentos e pequenos roubos tinha um trabalho para eles. O pagamento não era dos melhores, mas na situação atual era melhor do que nada. Calculadas as coordenadas pelo Hiperespaço, eles foram na direção do planeta desértico. Sza'lay combinou de encontrá-los no espaço porto de Radall, algumas centenas de quilômetros de distância de Mos Eisley. O lugar é pequeno, com alguns armazéns, depósitos e docks de naves cercados por fazendas de Tatooine.

Foi nesse momento que eu resolvi rolar para ver se alguma Obrigação (que são como complicações) dos personagens entrava em jogo. Acabou que a recém-adquirida complicação de serem procurados pelo Império por contrabando e terrorismo foi ativada. O espaçoporto de Radall receberia uma inspeção Imperial em breve.

Quando chegaram, metade do grupo disse que iria procurar as partes para consertar a nave (ainda dos danos da aventura passada) e a outra metade foi procurar Sza'lay no seu armazém, o Trevo Azul. Fizemos uma breve interação com o Toydariano que era dono da pequena loja de peças na qual os jogadores pechincharam por um novo núcleo de gás para o canhão laser da nave e ficaram devendo um favor para o comerciante (nova obrigação, ainda que pequena).

Já os jogadores que foram encontrar Sza'lay no Trevo Azul foram encaminhados até o escritório do velho mercador/contrabandista. Ele informa os personagens de que os negócios estão ruins e todos os embargos imperiais estão dificultando bastante a vida de honestos comerciantes como ele. Sendo assim, ele terá que flexibilizar seus negócios um pouco, mas nada que seja muito complicado. A oferta de trabalho consiste em ir ao sistema Kira, na Expansion Region, por onde em duas semanas um comboio de suprimentos vindo dos planetas da Core Region chegaria. Este não é um sistema de suma importância para o Império e o comboio não está muito bem guardado e nem atrairia muitos reforços, pois a área é relativamente livre de forte presença Imperial. Os suprimentos que eles deveriam pegar estariam no Transporte 2B (ele passa a identificação dos cargos crates). Até onde ele sabe, tratam-se de produtos farmacêuticos inofensivos que estão em grande necessidade em Formos, onde eles deveram entregá-los ao seu contato Echabar, um Dug contrabandista conhecido na região. O pagamento foi combinado em 5000 créditos depois de bastante negociação.

Assim que eles saíram do armazém para contar aos companheiros que estavam com um trabalho novamente, Quill e Darius viram agentes do Império andando pelo espaçoporto pedindo informações para funcionários e comerciantes. Aparentemente uma nave de patrulha imperial tinha pousado ali a procura de fugitivos. O slicer, então, aproveitando de suas habilidades furtivas foi olhar mais de perto o que estava acontecendo. Para sua surpresa, agentes da ISB (Imperial Security Bureau) estavam procurando por ele e por Gavon Nah.

Sendo assim, ele resolve voltar para a nave, avisar os outros para que possam sair de lá discretamente. No caminho, no entanto, ele é identificado e uma perseguição começa. Alguns tiros são trocados, mas ninguém é ferido. Um pânico se instaura na comunidade quando os personagens entram em sua nave e quase atiram na espaçoporto querendo eliminar os agentes imperiais (algo que percebem ser um grave erro, ainda bem). O grupo então se vira e parte para o espaço para fazer um pulo até o Sistema Kira.

Acontece que no caminho 3 Tie Fighters aparece e logo depois a nave de patrulha vai na direção deles. Uma rápida batalha espacial começou, com o grupo acelerando para se distanciar cada vez mais e fazer a viajem pelo hiperespaço, eu rolando muito mal com os ataques dos Ties e a nave de patrulha com dificuldade para alcança-los. Depois de algumas rodadas o grupo conseguiu terminar os cálculos com sucesso e a nave se foi.

Chegando no Sistema Kira, com receio de terem sido rastreados, o grupo se escondeu em um planeta inabitado próximo por uns dois dias e quando estavam já ficando sem suprimentos foram até Kira Prime. O plano incluía, além de comprar suprimentos, descobrir o momento de chegada do comboio e o fabricante dos produtos farmacêuticos, para usar essa informação como desculpa de uma inspeção do fabricante devido a "problemas de contaminação do lote".

Essa simples operação foi um sucesso, claro. Mas os jogadores descobriram também que a carga é um medicamento e que o planeta está sofrendo uma epidemia de uma doença grave que precisa, justamente desse remédio. Agora o grupo estava um pouco dividido sobre o que fazer, dava pra ver o dilema e alguns ainda ficaram me perguntando: "é sério, Diogo?".

De qualquer forma, eles decidiram ir em frente com o plano. Quill convencer autoridades locais sobre seu trabalho de relações públicas da companhia Meditech e solicitou que eles embarreirassem a entrada do comboio no planeta, já que eles queriam evitar contaminação do medicamento com problemas, o que só pioraria a situação do planeta.

Quando o comboio chegou, os personagens já estavam em órbita esperando por ele e pediram para que o planeta entrasse em contato e explicasse a situação. Não demorou muito para eles receberem um comunicado de um oficial do Império pedindo maiores explicações, já que ele não recebera nenhuma informação do centro de comando.

Daí o jogador do político rolou bem pra caramba no seu teste de Deception e explicou que como eles não queria causar pânico às populações afetadas e nem danificar a imagem da empresa e do Império, eles estavam preferindo lidar com isso direta e discretamente. Beleza, permissão para atracar concedida, lá foram eles.

Atracaram no Transporter 2b, um dos jogadores gastou um ponto de destino para criar uma roupa anti-hazard e ele e o político foram acompanhados por soldados imperiais e um oficial até o container. De fato, parecia que a segurança do comboio era bem leve e eles conseguiriam sair de lá com a carga sem muitos problemas.

De repente, algo atingiu o Transporter e tudo tremeu. No comlink dos imperiais eles ouviram: "capitão, 3 fragatas leves de piratas acabaram de sair do hiperespaço, eles exigem que entreguemos toda a carga e nossas armas".

E assim acabou a sessão com os jogadores perguntando de novo "caraca, Diogo! Sério!?". Agora, parece que a próxima sessão será dia 16 de novembro. Vamos ver como os jogadores saem dessa.

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.