sábado, 31 de março de 2012

6 Dicas para Masmorras mais Interessantes

Masmorras são um ícone indissociável dos RPGs. A própria disposição delas simboliza muito dos elementos primordiais desse jogo, como diversas opções de caminhos, necessidade de se tomar decisões, possibilidades de se explorar um mesmo cenário de diversas maneiras diferentes, dinamicidade e o poder da escolha.

Mas é inegável que existem masmorras mais interessantes que outras. Que te convidam a uma imersão maior e fazem você querer jogá-la mais do que uma vez. O que será que faz uma mais legal que a outra? Há alguma fórmula mágica para se construir uma masmorra perfeita? Claro que não. Assim como se diz por aí, a construção desses locais é mais uma arte que uma ciência, mas o conhecimento de alguns elementos que as tornam mais interessantes pode ajudar você nesse trabalho.

A seguir estão listadas seis dicas que, se usadas de forma criativa, podem fazer com que uma masmorra simples monótona passe a engajar os jogadores de uam forma mais desafiadora, divertida e interativa.

Irregularidade - Masmorras não eram construídas de acordo com os modernos conceitos de arquitetura. Elas não eram regulares com uma disposição equilibrada de aposentos na parte norte ou sul, e seu níveis não se alinhavam perfeitamente. Isso sem contar que o terreno onde esses lugares são construídos são muito irregulares e a construção de forma regular e simétrica seria quase impossível. Além disso, é muito mais divertido explorar um lugar que a cada curva de corredor apresenta surpresas e caminhso inesperados do que outro em que você já sabe toda a disposição de aposentos, já que visitou estrutura semelhante antes. Como o foco de masmorras é exploração, masmorras irregulares são muito mais proveitosas do que aquelas que tendem a serem organizadas e simétricas.

Circularidade - Como as masmorras são um emaranhado de corredores, salas, passagens, pontes, escadas e outras coisas, não é incomum que depois de algumas horas andando pelo complexo o grupo de aventureiros se ver chegando a um lugar por onde já passaram, completando um círculo. Isso é legal, não só porque eles percebem que aquele lugar não é simples de ser explorando e que pode guardar muitas surpresas, mas também porque pode dar uma sensação de dever cumprido de ter explorado uma parte inteira da masmorra e voltado paro o local onde podem escolher outra parte para explorar. Caminhos circulares deixam claro que o local pode ser abordado por diversos caminhos e que ele é complexo o suficiente para

Obstáculos - Outro elemento que torna as masmorras mais interessantes de ser exploradas são os obstáculos a essa exploração. Por exemplo, uma ponte que está partida ao meio impedindo o progresso dos aventureiros, um desmoronamento que bloqueou um túnel ou um rio com águas violentas que divide a masmorra ao meio. Quando os exploradores conseguem, por meio dos diversos caminhos e passagens da masmorra, chegar ao outro lado desses obstáculos eles sentem um sensação de vitória e superação.

Pontos de Referência - Esta dica já é um pouco mais complexa de ser usada, mas se for bem pensada pode surtir um efeito muito bom na motivação dos jogadores. Trata-se do velho truque de mostrar algo que as pessoas querem mas não deixarem elas chegarem até lá, por enquanto. O segredo é mostrar um lugar na masmorra, talvez uma plataforma onde o altar do sacerdote do mal esteja no alto de uma enorme caverna natural e os aventureiros a de baixo, tendo que achar o caminho para cima. Mas isso pode ser usado com outras coisas. Talvez ao entrarem em uma masmorra o grupo escute o barulho de um rio e corredores, escadas, e passagens depois, eles encontram o rio. Essa técnica incentiva os jogadores a seguirem em frente até alcançarem aquele lugar que viram, ouviram ou sentiram anteriormente.

Outra Perspectiva - Similar à dica anterior, essa trata-se de permitir, através da estrutura da masmorra que um mesmo aposento possa ser visto de ângulos diferentes pelos aventureiros. Por exemplo, o grande salão pelo qual os aventureiros passaram agora pode ser visto pela varanda do aposento que se encontram e lá embaixo eles percebem que um outro grupo de aventureiros adentrou a cidadela anã. Isso permite que os jogadores encarem a masmorra por diversas perspectivas e perceber que ela é dinâmica e complexa.

Passagens Restritas - Para deixar as coisas ainda mais interessantes, introduza algumas passagens que precisam ser liberadas para serem utilizadas. O mais clássico é aquele que possui uma "portcullis" (grade levadiça) que precisa ser aberto em outro aposento. Mas outras possibilidades existem, como uma área alagada que precisa ser esvaziada para que a passagem ao nível inferior possa ser alcançada, o campo de força que é desativado se os personagens estiverem portando o amuleto do feiticeiro e coisas desse tipo. Esse funciona um pouco como o do ponto de referencia acima, já que eles tem uma ideia de para onde devem ir mas precisam realizar alguma ação para chegar até lá.

Então, essas foram as dicas que podem ajudar a transformar uma masmorra sem graça, padrão e retinha em algo mais caótico, dinâmico e interessante. Como já disse, não há uma fórmula matemática para isso, é mais uma arte que uma ciência, no entanto, certas coisas podem ajudar no processo.

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.