terça-feira, 10 de junho de 2014

Introduzindo novos jogadores ao RPG

Em consonância com uma postagem que fiz a pouco tempo sobre o papel dos jogadores de RPG na sua renovação constante e na atração de novos indivíduos para o hobby, resolvi fazer uma breve postagem com dicas e sugestões para facilitar a introdução de novatos nesse mundo fantástico e divertido dos jogos de interpretação.

A intenção é ajudar os mestres a tornar a experiência o mais prazerosa, simples e divertida para esses novos jogadores. Sendo o primeiro (ou os primeiros) contatos deles com essa atividade, eles devem ser breves, diretos e aproveitados ao máximo, sem oportunidade para que eles cansem  do jogo. Algumas das sugestões abaixo tendem a facilitar esse tipo de experiência, embora não exista uma receita infalível para o sucesso.

Jogos Simples: Dê preferência para jogos com sistema de regras simples, sem muitos detalhes e características nas fichas de personagem. Quanto mais elementos e regras em uma ficha de personagem, maior a probabilidade dessas pessoas se sentiram sobrecarregadas de informações e considerar esses "jogo estranho" difícil demais para elas. Se o jogo for um pouco mais complexo para o lado do Mestre, isso não tem problema, desde que a parte dos jogadores seja simples, isso deve ser o suficiente.

Sessões Curtas: Planeje suas sessões para durarem no máximo 3 horas e, de preferência, contendo um intervalo de 15 minutos no meio dela. Para quem não está acostumado com esse jogo, sessões muito longas podem ser cansativas. Mesmo assim, tente terminar as sessões com algum desfecho significativo e impactante, ou mesmo um cliffhanger. Idealmente, nas primeiras vezes, é bom que uma pequena história seja completamente fechada nessas três horas, proporcionando uma sensação de "dever cumprido" nesses jogadores.

Personagens Prontos: A não ser que o sistema de regras seja tão simples ao ponto de você conseguir explicar a criação de personagens e o jogador conseguir criar o personagem em 10 minutos no total, prefira personagens prontos. Apresente várias opções de diversos tipos de personagens, com abordagens diferentes. Evite deixar que outros jogadores fiquem dando palpite sobre o que é melhor, pior ou do que o grupo precisa. Deixe o jogador o mais a vontade possível para que possa escolher a opções com que mais se identificar.

Sem discussão de Regras: Falando nisso, evite discussão de regras ou papo sobre elas no meio do jogo ao máximo. Para jogadores experientes, esse tipo de conversar pode até ser legal e divertida, mas para novatos vai simplesmente parecer dois alienígenas conversando em uma linguagem estranha sem que ele possa entender nada. Fale com seu grupo e certifique-se que eles evitarão esse tipo de comportamento. Faça julgamentos rápidos e justos, explicando brevemente sua decisão e siga em frente com o jogo.

Acessórios: Se possível, providencie acessórios para decorar a mesa e estimular os sentidos, como mapas, miniaturas, replicas de armas e outras coisas. Esses acessórios podem não ter correlação direta com a aventura, mas podem ajudar a passar o clima das histórias de maneira interessante e divertida. Uma trilha sonora adequada também pode ajudar.

Apresentar as Regras aos Poucos: Não se preocupe em apresentar todas as regras do jogo de imediato. Passe apenas o essencial do jogo, a mecânica básica mais usada e explique brevemente a ficha para o jogador. Fale para ele que ele não precisa se preocupar com isso e que o mesmo pode descrever as ações que deseja fazer sem se preocupar com as regras, já que elas serão explicadas na hora, a medida que forem necessárias. Não há razão para se explicar como funciona uma ação prolongada na primeira sessão de jogo caso ela não entre na história.

Combinar com o Resto do Grupo: Combine com o resto do grupo os comportamentos acima e certifique-se que todos estão dispostos a aceitar um novo jogador no grupo. Será preciso paciência e boa vontade de todo mundo. Peça para que eles não tentam controlar o personagem do novo jogador e que tentam ajudá-lo sempre que o mesmo tiver alguma dúvida. Sugestões são bem-vindas, mas é primordial que esses jogadores se sintam a vontade para tomar as próprias decisões.

Feedback: Converse e troque informações com o novo jogador. Elogie as ideias legais que ele teve durante o jogo e pergunte para ele o que ele achou da experiência. Saiba o que o agradou e o que não o deixou tão confortável como você gostaria. Na pior das hipóteses, você já não comete os mesmo equívocos das próximas vezes.

Bem, acho que isso é um bom começo, concordam? Quem quiser contribuir com mais dicas e sugestões, é só comentar abaixo que eu vou acrescentando na postagem e dando os devidos créditos, é claro!

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.