domingo, 16 de junho de 2013

Resenha - Anacrônicas - Os Velhinhos que Botam pra Quebrar!

Ele prometera que jamais se envolveria com aquilo novamente. Já fazia 12 anos desde que ele precisou segurar em uma arma, e agora isso. É claro que ele podia dizer não, e não se envolver novamente com esse tipo de gente, mas as coisas se tornaram pessoais. E quando é pessoal, ele não perdoa.

Anacrônicas é um jogo de RPG divertido e simples, feito para o Game Chef Brasil de 2013, pelo Daniel Sant'Anna (o mesmo do Beat'em Up!) e do Pedro Marinelli, e que tem como foco histórias de senhores e senhoras de idades com passados interessantes que tem que voltar a ativa. São ex-espiões, ex-assassinos, ex-agentes, que por alguma razão devem meter a mão na massa novamente, apesar de todos os problemas que devem enfrentar devido a sua idade (reumatismo, artrite, problema de coração).

O jogo consiste em um PDF de 34 páginas de leitura bem rápida e entretida. Vale um destaque ao cuidado visual do jogo, que é excelente, melhor que muito jogo feito por grandes editoras. Como o texto do jogo em si não podia passar de 4 mil palavras, ele é bem direto e objetivo.

A primeira parte, a Introdução, explica um pouco sobre o que é o jogo, como ele se enquadro no tema do Game Chef Brasil de 2013, e o que você precisa para jogar.. Basicamente, como eu disse anteriormente, esse é um jogo de pessoas de idade que tiveram um passado impressionante, mas que ainda conseguem chutar traseiros. Pense nesses filmes que os atores de ação dos anos 80 estão fazendo hoje em dia, é bem por aí.

O jogo utiliza um baralho normal de cartas, papel e lápis (para anotar sua ficha e outros detalhes) e Tic-Tacs (isso mesmo, as balinhas), que servem como recursos a serem administrados pelos jogadores ao longo da sessão (eles representam os comprimidos médicos que os velhinhos tem que tomar).

A sessão seguinte, Personagens, ensina como os jogadores criam os seus senhores de idade, prontos para voltar a ativa e chutar traseiros novamente. Primeiramente você tem que escolher um nome pelo qual seu personagem responde hoje em dia, e o nome verdadeiro dele. Depois de tudo que ele passou, obviamente, ele não manteve a mesma identidade. O passo seguinte é definir a idade do mesmo. Quanto mais velho, mais conhecimentos ele possui, mas também mais problemas de saúde vai ter. Definido isso você pode escolher qual (ou quais) são as suas ex-profissões (ou profissão atual que usa em seu "disfarce"). Dependendo da sua idade, você tem mais ou menos escolhas. Da mesma forma, você vai definir traços, que são características pessoais do personagem como "teimoso como uma anta", "em minha mão qualquer faca vira Ginzu 2000", e outras coisas. Quanto mais velho, mais traços, também, mas como para evitar os problemas de saúde você tem que conseguir uma carta acima da sua idade, pode não ser tão vantajoso ter 90 anos.

O jogador deve escolher também uma condição, uma doença crônica para o personagem, algo que diga que ele é velho, como artrite, pressão alta, diabetes, e outras. Além disso, ainda são definidos mais duas características: Detonar (que basicamente diz respeito a tudo que ajude a chutar traseiros), e Experiências (que diz respeito a conhecimentos). Memórias, que também define o personagem são escritas somente durante o jogo, em situações especiais.

Na parte de Mecânicas, o autor ensina como resolver os conflitos dentro do jogo. Anacrônicas usa um baralho comum, e as cartas servem para definir se você conseguiu ou não realizar a ação que desejava. Para cada ponto em Detonar ou Experiência, você tem direito a uma carta para usar no jogo. Se você conseguir sacar uma cara igual ou maior que a dezena da sua idade, você é bem sucedido (dependendo da carta, você tem vários níveis de sucessos). Se falhar uma complicação é adquiria (que varia com o naipe da carta obtida) e pode afetar o seu personagem fisicamente, mentalmente, emocionalmente, e materialmente. Traços e Profissões podem ser invocados para se conseguir bônus (ou mesmo penalidades). Para invocar bônus, você precisa gastar um Tic-Tac (chamado de aspirina no jogo), e se você se complicar por causa de um, você ganha aspirinas para gastar depois.

Como eu disse, as Memórias são definidas durante o jogo e são poderosas ferramentas de resolução de ações. Um jogador pode, durante uma cena, definir uma memória, narrando eventos do passado e dizendo como isso ajuda ele a lidar com a situação no presente. Fazendo isso, ele narra a cena inteira, sem precisar pegar carta alguma.

O último capítulo do pequeno livrinho, Narrando, traz algumas regras de evolução de personagens e ideias para aventuras. A cada história narrada, os personagens ganham uma Cartada. Essa é uma carta que pode ser usada ao longo do jogo para invocar uma ajuda de um contato das antigas (como naquelas cenas em que aparecem espiões e parceiros antigos, dão uma ajuda, e dão o fora). Além disso, o personagem pode envelhecer mais, ganhando mais pontos para gastar em Detonar ou Experiência, mas aumentando a dificuldade dos seus testes (mexer os quadris depois dos 70 é complicado). Alguns filmes indicados para inspirar suas aventuras de Anacrônicas são R.E.D. - Aposentados Perigosos, Mercenários 1 e 2, e Gran Turino.

Resumindo, Anacrônicas é um jogo bem simples, mas com um grande potencial de divertimento. Para a galera que está com os seus quase 30 anos hoje em dia, é um grande jogo para se lembrar dos heróis de filmes de ação hoje em dia, com certeza vão rolar cenas excitantes e hilárias. Ah, e o melhor, esse é um jogo totalmente gratuito (assim como outros do autor), e basta ir na página do blog dele e baixar. Para quem não sabe, já fiz a resenha do Beat'em Up! por aqui também, é só conferir outro ótimo jogo.

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.