domingo, 3 de maio de 2015

O quê estou lendo, assistindo e jogando esses dias...

Pode ser influência do fantástico Drink Spin and Run podcast que tenho ouvido ultimamente, mas tenho achado muito legal conversar com outros jogadores de RPG sobre o que eles tem lido, escutado ou visto nas telas por aí. Para quem não sabe, o Drink Spin Run é um podcast / talk show em que o amigo +Adam Muszkiewicz e o +Donn Stroud falam com convidados sobre RPGs e outros jogos, mas antes conversam sobre o que andam bebendo (com ótimas sugestões de cerveja, se você conseguir as encontrar por aqui, o que estão lendo (tanto livros, como quadrinhos ou mesmo RPGs), que músicas andam escutando e que RPGs estão jogando.

Bem, eu nunca fui convidado para o programa mas, mesmo assim, achei que seria legal falar por aqui sobre isso e convidar vocês a fazer o mesmo. Falarmos sobre o que está nos influenciando atualmente, desde o quê estamos escutando, passando pelo que estamos lendo até o que andamos assistindo nos últimos dias. Ah, sim, e o quê temos jogados também.

Para começar, provavelmente incentivado pelo fato que a Goodman Games vai lançar um Boxed Set do cenário de Lankhmar para o Dungeon Crawl Classics RPG, eu comecei a ler os livros do Fritz Lieber e estou terminando o primeiro deles, o Swords Against Deviltry, que conta a história de como Fafhrd e Gray Mouser se conheceram. São 3 histórias, as duas primeiras contando como cada um deles foi parar em Lankhmar, e uma última de como acabaram se tornando grandes amigos e parceiros de aventuras. O clima das histórias tem um quê de espada e feitiçaria, mas não exatamente como Conan. Tem um pouco de humor inserido no meio daquilo e os personagens são mais humanos, mais vulneráveis e mais fáceis de se identificar do que com o fabuloso bárbaro. Fafhrd e Gray Mouser são habilidosos, corajosos e audaciosos, mas são falhos também. São cínicos e, algumas vezes, descuidados. Lankhmar é um personagem em si só e parece ser um lugar perfeito para uma campanha de aventuras urbanas.

Quanto ao que eu tenho assistido, vou tentar ser breve e focar no que parece ter mais utilidade para jogos, como inspiração. Bem, recentemente comecei e terminei de ver a série do Demolido no Netflix. Muita gente, com certeza, já ouviu falar dela por aí devido ao "frisson" criado em torno dela. De fato, é uma boa série, só não sei se é a sétima maravilha do mundo conforme as pessoas tentam demonstrar. É uma série legal, de um super-herói sem grandes poderes e bastante vulnerável em uma grande cidade, lidando com ladrões e outros bandidos. Até certo ponto, dá para fazer uma paralelo legal com Lankhmar e, com certeza, é bem assim que irei utilizar as coisas legais da série em meus jogos. As máfias, as ligações criminosas entre a elite e os bandidos ralés são bem exploradas e, sem dúvida, cairiam bem em qualquer campanha baseada em uma grande cidade corrupta.

Outra série que estou acompanhando é a Game of Thrones, entrando agora na sua 5ª temporada. Eu não li os livros, então tenho gostado bastante da série, independente de sua fidelidade com os textos originais. É engraçado ver como alguns personagens passam dos favoritos como uns dos mais chatos e aqueles que eram chatos vão se tornando alguns dos favoritos ao longo dela. A história é cheia de reviravoltas e você nunca sabe exatamente o que vai acontecer. Embora ambientado em um mundo de fantasia medieval, os verdadeiros agente e perigos da série são bastante normais e humanos. Dá para fazer a gente pensar sobre como fazer isso também em nossas mesas.

Já em relação ou que eu tenho escutado, infelizmente, não tenho muito a acrescentar. Faz um tempo que não tenho ouvido muita música, não sei bem o porquê. Eu sou fã de Punk Rock clássico, tipo Ramones, mas o que mais tenho ouvido, quando tenho tempo, são podcasts mesmo. Vou ficar devendo nesse quesito.

Em termos de jogos, por outro lado, tenho bastante sobre o que falar. Como não é surpresa para ninguém, tenho jogado Dungeon Crawl Classics RPG, tanto como mestre como por jogador, o que me permite uma visão mais completa deste jogo que continua como o meu RPG favorito de todos os tempos. O jogo continua parecendo uma novidade para mim mesmo depois alguns anos já jogando ele, e o pessoal que se envolve na comunidade do jogo tem sempre cosias legais para compartilhar. Além disso, voltou a jogar AD&D 2ª Edição, conforme relatei aqui há alguns dias e a aventura ainda está bem no começo. Nesse caso sou só jogador, mas tem sido divertido ver meu ladrão egoísta se relacionar com alguns bons moços.

Além disso, eu tenho jogado esporadicamente o Star Wars RPG da Fantasy Flight Games, com uma campanha de Edge of the Empire. Gosto bastante desse sistema, embora ele pareça um pouco complexo e restritivo de vez em quando. Mal espero ver o Force and Destiny e ver como tudo isso se encaixa. Espero que a FFG lance coisas suportando o jogo em outras Eras de campanha além da trilogia original.

Por fim, estou terminando de ler o Silent Legion, um RPG de Horror Lovecraftiniano com um sistema OSR e com ferramentas para construção de um cenário Sandbox de investigação moderno, além de compatível com quase qualquer jogo de sistema OSR. Não há grandes novidades aqui em termo de mecânicas. Temos um sistema com base no D&D das antigas e um sistema de Skills bem parecido com Traveller e agora uma mecânica de Sanidade inserido nele. Mas o que é mais legal no jogo são as ferramentas para criação de um Mythos próprio, inspirado no clima de Chtulhu e seus irmãos, criação de seitas, lugares, e mistérios. Tudo isso com estruturas para montar um grande cenário em Sandbox, cheio de ganchos e pistas para que os jogadores se sintam livres para ir atrás daquilo que mais lhe chamar atenção. Um fã de Call of Cthulhu pode usar o jogo ignorando o sistema completamente e aproveitando suas ferramentas.

Agora eu estou na dúvida sobre o que ler em seguida, em termos de RPG (de literatura, vou continuar nos livros do Fritz Lieber). Penso em ler ou suplementos de jogos para aventuras em cidades, como o próprio Lankhmar para AD&D e o Vorhein para Lamentations of the Flame Princess, ou um RPG que comprei recentemente, o Mutant Year Zero, que promete ser um jogo que estimula um tipo de jogo Sandbox em um cenário pós-apocaliptico que faz os jogadores ficarem responsáveis por uma comunidade de sobreviventes mutantes.

Mas e vocês? O que tem lido, escutado, assistido e jogado? Conta pra gente!

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.