sexta-feira, 8 de maio de 2015

Engenharia de Masmorras: Aumentando o "roleplay" dentro das masmorras!

Masmorras foram, são e sempre serão elementos icônicos e pervasivos dos jogos de RPG. E não digo apenas dos jogos de RPG de fantasia, já que, se pararmos para pensar, o conceito de masmorra é bem extensivo e podemos encaixar nele uma estação espacial abandonada, uma base secreta, a fortaleza de um culto secreto de cultistas, um shopping abandonado e tudo mais. De forma geral, uma masmorra é um local isolado onde monstros e criaturas ruins vivem e onde o grupo provavelmente encontrará algo que procuram.

No entanto, caso uma masmorra seja usada pura e simplesmente como um lugar onde as pessoas vão para matar monstros e coletar tesouros (o que alguns mestres costumam fazer repetidamente), isso pode se tornar bastante repetitivo e enjoado. Em um jogo de RPG, com tantas oportunidades para desafios distintos e que lidem com habilidades diferentes, resumir tudo a espadadas fica velho rapidamente. Sendo assim, uma boa masmorra deve trazer oportunidades para cenas de "roleplay", ou interpretação, como costumávamos chamar.

Então, que tal uma pequena lista de coisas que você pode colocar em uma masmorra para dar maiores oportunidades para seus jogadores largarem as armas por uns minutos e partirem para umas cenas mais sociais dentro da masmorra?

Monstros Inteligentes: Não só monstros, mas oponentes em geral, sendo inteligentes, consciência individual e vontade própria já faz uma diferença tremenda. Mesmo eles tendo um objetivo comum e um líder, os indivíduos dificilmente vão querer enfrentar tudo até a morte e alguns podem estar dispostos a negociar com os aventureiros, nem que seja por suas vidas. Alguns deles podem nem falar a língua dos aventureiros com perfeição, o que trará outro tipo de interação para o jogo que pode ser interessante.

Rivais: E se o grupo não for o único interessado a explorar aquele local? Um outro grupo pode adentrar a masmorra (seja lá o que ela for) e pode estar atrás ou da mesma coisa ou de uma coisa diferente que eles e cabe a interação de ambos os grupos decidir como eles vão se relacionar lá dentro.

Prisioneiros: As criaturas malignas dentro da masmorra podem fazer prisioneiros de comunidades próximas locais, outros aventureiros que vieram explorar o local ou até de outras criaturas que vivem no local (veja "Facções" abaixo). O grupo pode encontrar esses indivíduos e decidir o que fazer com eles. Eles podem ter informações importantes para passar, saber caminhos poucos conhecidos e outras coisas. Mas se forem meras pessoas comuns, provavelmente precisarão de proteção, o que pode deixar tudo mais complicado.

Facções: Uma coisa que eu sempre gosto de ver em masmorras e isso tem uma tradição que vem desde os módulos dos anos 70 são as facções em uma masmorra. São grupos de criaturas (diferentes ou não) com objetivos distintos que podem não se dar tão bem com seus vizinhos e os aventureiros são jogados em um local no meio delas. Enfrentar todas é provavelmente um suicídio (ou algo muito difícil) e escolher uma para se aliar pode ser complicado. Se os goblins, por exemplo, estiverem cansados de serem maltratados pelos orcs, quem sabe uma aliança come eles não pode ajudar o grupo, pelo menos por um tempo.

Fantasmas: Outro classico de masmorras Old School que, infelizmente, não é tão explorado assim hoje são os espíritos e fantasmas. Em um mundo em que o sobrenatural é real e cheio de magia e coisas terríveis, fantasmas e espíritos podem ser bem mais comuns em lugares como masmorras. Esses seres podem estar solitários, deprimidos ou cheios de ódio e a reação deles para com os aventureiros pode variar muito e dependerá, em última instância, de como o grupo interage com eles. No final, eles podem ser fontes de informarções e conhecimentos valiosíssimos.

Objetos Inteligentes: Por fim, quem disse que objetos como estátuas, portas, murais ou mesmo armaduras não podem trazer algumas cenas de interpretação para a sua masmorra? Geralmente esses objetos são mágicos e podem fazer informações secretas obtidas por meio de resolução de enigmas, charadas ou problemas lógicos.

Enfim, pode existir diversos tipos de desafios em uma masmorra além de matar monstros e essa variação de cenas pode enriquecer muito o jogo e deixar a aventura mais interessante, tanto para o mestre (que tem a oportunidade de interpretar papeis variados), como para os jogadores, que podem deixar de rolar os mesmos dados por algumas horas.

Mas e aí? Alguém tem mais alguma ideia de oportunidades de roleplay em uma masmorra?

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.