quarta-feira, 9 de março de 2016

Novos Monstros para Espada & Feitiçaria no DCC RPG - Parte II

Ontem eu publiquei por aqui dois novos monstros para DCC RPG voltados para uma campanha de Espada & Feitiçaria inspirada por livros do Appendix N, em que essas criaturas não são coisas tão comuns e corriqueiras como Orcs na maioria dos outros cenários de fantasia. No entanto, eu senti falta de mais algumas criaturas estranhas e bizarras para complementar o primeiro volume do Crônicas de Bruxos & Bárbaros.

Por isso, hoje eu trago mais duas criaturas. Dessa vez elas são mais bizarras, primais e terríveis que seus antecessores, pois não tem objetivos que sequer se assemelham com o de mortais. São criaturas inumanas, bizarras, com intuitos malignos e caóticos, vizando o sofrimento, a angústia e o avanço do Caos no mundo mortal, mesmo que, às vezes, não tenham consciência disto.

Sangue Vivo

Milênios atrás, os Reis-Bruxos do Império de Zartar realizavam grandes e sangrentos rituais de sacrificio no topo do Zigurate Negro, hoje abandonado e tido como amaldiçoado. O sangue de milhares de vítimas escorreu pelos degraus do grande Zigurate e se acumulou na profundezas das catacumbas da Antiga Mezzanthia. A dor, o sofrimento, a angústia e o ódio de todas essas vítimas, impregnados de energia arcana caótica e desejo de vigança, fez com que um ser terrível tomasse vida. O Sangue vivo é uma criatura formado do inconsciente coletivo de todas as vítimas sacrificadas pelos Reis Bruxos durante o Império de Zartar na cidade de Mezzanthia. Uma grande massa de sangue coagulado e escuro que odeia, ansaia por vingança e deseja a morte de todos que tenham qualquer ligação com Zartar e a arte nefasta da feitiçaria. Hoje, sua massa consegue se espalhar por quase toda Mezzanthia, através das catacumbas e ruínas que infestam seu subterrâneo, a procura de mais sangue para renovar e expandir sua forma e de vingança contra descendentes de Zartar e de praticantes da feitiçaria.

Sangue Vivo: Inic +0; Atq Psudópodo +6 corpo a corpo (1d8+2); CA 12; DV 10d10; MV 3m; Ação 1d20 por cada m²; PE pode fazer um ataque/ação por cada m² ocupado pelo sangue vivo (que se espalha por todo o ambiente antes de atacar suas vítimas), tem uma aura de angústia e sofrimentos psíquicos que força todos os presentes a fazer uma Jogada de Vontade com CD 18 ou sofrer –1d em todas as ações enquanto continuar em sua presença; sofre metade do dano por armas de corte ou perfuração; vulnerável a fogo (sofre o dobro de dano); JP Fort +6, Ref +0, Vont +4; AL C.

Yarzagoth

Yarzagoth são criaturas do Abismo, invocados por Reis-Bruxos no auge do Império de Zartar para espiar, investigar e assassinar seus rivais. De anatomia totalmente alienígena, essa criatura parece um amontoado de olhos em uma massa central, flaqueado por seis patas articuladas com espinhos, duas asas de morcego e uma calda com um ferrão avermelhado. Hoje, sem os Reis-Bruxos para controlá-los, os Yarzagoth estão adormecidos em seus esconderijos, na beira do Abismo e o mundo mortal, aguardando um novo chamado. No entanto, loucos, bêbados e ocultistas dizem ter visto estas criaturas nas sombras de Mezzanthia, espreitando, e recebendo ordens de uma sombra.

Yarzagoth: Inic +2; Atq Ferrão corpo a corpo +5 (1d4+1 mais veneno) e Raio Ocular +5 a distância (1d6+1); CA 14; DV 3d6; MV 12m e voando 9m; Ação 1d20; PE Veneno (CD 16 Fort ou sofre 1d4 de dano na Inteligência, até chegar a 0, quando o indivíduo enlouquece), capaz de ver em todas as dimensões e a forma verdadeira das coisas, e conjura 1d3 magias aleatórias de mago com Jogada de Conjuração +3; JP Fort +2, REF +4, Vont +2; AL C.

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.