quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Resenha - Formula D - Um jogo de Tabuleiro para fazer "Vrummm... Vrummm!"

Hoje eu vou falar de algo diferente do normal. Ao invés das costumeiras postagens sobre RPG, hoje escrevo sobre um jogo de tabuleiro muito legal que recentemente adquiri. Confesso que não sou aficionado por Board Games. Eles são caros, ocupam bastante espaço, e tem uma jogabilidade muito mais restrita que RPGs, obviamente. Mas, de vez em quando, eu me encanto por alguns. Formula D foi um deles. Um jogo de tabuleiro de corrida de carros, onde você pode modificar seu carro, cada piloto pode ter habilidades especiais próprias, o carro pode se danificar ao longo da corrida, tem mudança de tempo, e tudo mais. É bem legal.

Primeiramente, ele me lembrou de cara um jogo que eu tinha quando criança, o Cockpit, lançado aqui pela Grow há anos atrás, mas que sumiu das pratileiras das lojas. Cockpit não tinha tantas opções como o Formula D, mas era muito, mas muito legal. Pena que a Grow parou de produzir ele. Eu procurei ele por muito tempo, entrava em tudo que é loja de brinquedo e tal que vendia outros jogos, mas nunca mais achei. Daí um dia eu vi esse episódio do Tabletop do Will Wheaton:



E gente, é tão divertido como esse vídeo faz parecer. Eu encomendei o jogo lá dos EUA (porque aqui as lojas estavam querendo 260 reais por ele, sendo que o preço dele é uns 40 dólares), ele me deu umas dores de cabeça com a Receita Federal, mas finalmente chegou na minha mão semana passada, e eu estreie no mesmo final de semana. Joguei com dois grupos de amigos, um no sábado e outro no domingo. Todo mundo adorou o jogo. E olha que a gente jogou só com as regras básicas para não deixar a mulherada confusa (sabem como é mulheres com carros né? Brincadeira hein gente?).

Bem, para começar, esse é um jogo de corrida, e o objetivo dele (adivinhem) é terminar a corrida em primeiro lugar. A quantidade de voltas que é preciso dar é variada. Para iniciantes, recomenda-se 1 volta, mas podem ser duas, três, ou até mais para jogadores mais experientes. Quanto mais voltas, mais difícil o jogo, já que é necessário paradas no "pit-stop", que na regra avançada só recupera pontos de pneus (ou de alguma outra parte). Para definir a ordem dos carros no grid de largada os jogadores podem rolar 1d20 e arrumar os carros de forma que aquele que tirou o mair resultado fique na frente, ou mesmo fazer voltas qualificatórias (que avaliam tanto a quantidade de rodadas necessárias para terminar a volta, quanto o real tempo dispendido).

Depois disso, é hora da partida, quando o sinal fica verdade e os pilotos podem pisar fundo no acelerador. E para simular esse momento, o jogo pede para você rolar 1d20. Um resultado igual a "1" quer dizer que seu piloto não largou bem, ele não anda na primeira rodada, e só age na segundo, ainda na primeira marcha. Um resultado entre 2 e 16 resulta em uma largada normal. O carro anda na primeira marcha, e rola 1d4 (que tem apenas os número 1 e 2) e anda o respectivo número de casas. Quem conseguir rolar de 17 a 20, anda automaticamente 4 quadrados, e pode engatar a segunda marcha na volta seguinte.

A partir desse ponto, os jogadores podem ir passando as marchas, sempre podendo aumentar apenas uma por rodada, mas podendo diminuir mais do que uma (reduzir mais do que uma danifica o carro, perdendo pontos de câmbio, motor, ou freios). Mas não basta simplesmente passar para a sexta marcha e sair correndo. Para fazer curvas, os carros tem que parar nas mesmas (entre as rodadas) uma certa quantidades de vezes. Então, se o piloto estiver em uma marcha muito alta, ele pode passar direto, perdendo pontos de pneus ou mesmo batendo o carro em alguns casos. Para evitar passar direto, o jogador pode frear (gastando pontos de freio) e forçar uma parada em uma curva.

O jogo utiliza dados típicos de RPG para simular os espaços andados de acordo com as marchas. A 1ª marcha usa um d4 com números 1 e 2, a 2ª usa um d6 com números de 2 a 4, a 3ª usa um d8 com números de 4 a 8, a 4ª usa um d12 que vai de 7 a 12, a 5ª é um d20 que vai de 11 a 20, e a 6ª é um d30 que vai de 21 a 30. Entretanto, se na 5ª ou 6ª marcha algum jogador rolar 20 ou 30, respectivamente, todos os jogadores que estiverem nessas marchar correm o risco de terem super aquecido o motor e perder pontos de desgaste nele.

Essas são as principais regras e cobrem 90% das situações do jogo, mas há algumas regras extras e outras opcionais para quem quer "apimentar" mais as coisas. Há regras de vácuo para quem quiser se aproveitar de seus competidores, possíveis consequências de colisões e perda de pontos de carroceria, customização dos carros, mudança de tempo, pneus de sol e chuva, e habilidades especiais de pilotos. Ainda existe a possibilidade de corridas nas ruas de uma cidade, com polícia, ruas esburacadas, e essas coisas.

Em resumo, esse é um jogo bem divertido de corrida. Ele te várias coisas interessantes que simulam as condições de uma corrida e faz você pensar em estratégias para a prova, tendo que fazer escolhas a todo momento. Arrisco a andar mais rápido e corro o risco de desgastar o carro, ou ando mais devagar, com segurança, e corro o risco de ser ultrapassado? Vou perder muito fazendo Pitstop? Outra coisa legal, é que tem expansões com mais pistas e uma porção de pistas na internet para você baixar e imprimir, assim ninguém fica enjoado de correr sempre no mesmo trajeto. Enfim, é um ótimo jogo. Não se esqueçam de fazer "Vrummm" quando estiverem jogando!

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.

7 comentários:

  1. realmente, bastante interessante...

    eu ja pensei em fazer algo assim, mas usando futebol rsrsrsr

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aqui no Brasil teve o Cockpit como eu falei, que é bem parecido. Mas de futebol? Boardgame? Não seria o futebol de botão?

      Excluir
    2. A Grow tinha um jogo de futebol chamado Escrete, feito pelo Chico Buarque de Holanda(!) na década de 60, que era muito bom. Eu tenho esse jogo e sempre que posso faço torneio aqui em casa. Quem dera que a Grow relançasse o Escrete com uma roupagem mais atual ao invés de mais quebra-cabeças.

      Excluir
  2. Respostas
    1. Então, eu fiz uma malandragem, mas totalmente dentro da legalidade. Eu comprei o Formula D no Amazon e mandei entregar na casa de um amigo lá nos EUA com Free Shipping. Daí ele me mandou o jogo pelos correios normal. O frete dos correios é maior que o da Amazon, mas vindo de pessoas física, e sendo menos que cinquenta dólares, eu não tive que pagar tributos quando chegou aqui, daí compensou.

      Excluir
  3. Jogo muito interessante mesmo,.. gosto de jogos assim, que não são somente sorte ou azar, mas precisa de uma certa estratégia e controle. Muito bom mesmo, pena que os jogos de tabuleiros são tão caros aqui no Brasil (inclusive os nacionais)
    Vlw

    ResponderExcluir
  4. "Aqui no Brasil teve o Cockpit como eu falei, que é bem parecido. Mas de futebol? Boardgame? Não seria o futebol de botão?"

    Se eu te falar que quando eu e meus amigos éramos Muleques, já jogamos um "RPG" de Futebol! Nada muito prático, o sistema foi criado por nós mesmo e jogávamos como técnicos e o objetivo montar um time ganhar campeonatos e tudo mais. Tínhamos um campo todo quadriculado e tentávamos simular as partidas, as habilidades dos jogadores nós pegávamos de jogos de futebol de N64 e ps1. Os testes funcionavam de forma simples, se um jogador de futebol tivesse drible 10 jogávamos 3d6 se fosse menor ou igual a 10 o jogador conseguia driblar, o mesmo valia pra cabeceio, cruzamento, toque de bola. A disputa de bola e hora do gol era um teste resistido contra o oponente. O engraçado é que tinha uns muleques mais velhos que nos Zuavam por chamar "aquilo" de "RPG" e que não conhecíamos RPG de verdade. Mesmo sem acesso a livros de sistemas eu e meus colegas, na maturidade dos 10/11 anos de idade, conseguíamos nos divertir pra caramba e hoje percebo que na verdade já tínhamos em nossas mentes talvez a regra mais universal e que está presente em quase todos os Sistemas: A "Diversão". Felizmente nunca mais tive contato com aquele grupo de "Rpgista" mais velho que zuava eu e meus colegas, afinal se naquela época já eram uns "babacas" com os mais novos no Hobbie imaginam nos Haters que se transformaram hoje.

    ResponderExcluir