segunda-feira, 2 de setembro de 2013

Bruxos & Bárbaros - Culturas - Ravinai

E os trabalhos para o Bruxos & Bárbaros não param! Recentemente acabei os textos para todas as dez culturas iniciais do jogo (que estou trazendo aqui devagarzinho), e comecei a escrever o texto de cada uma das nove classes. Temos ideias para classes e culturas extras, mas essas ficaram para o futuro (quem sabe como recompensas extras no financiamento coletivo - quem quer ser pirata aí?). Para quem não está acompanhando, foram disponibilizados novos arquivos, com algumas correções para o Jogo Rápido do Bruxos & Bárbaros - O Crânio de Tuhan. Enquanto isso, eu vou continuando a traduzir minhas anotações em algo apresentável, trazendo o conteúdo que vira no próximo Jogo Rápido e na versão final do jogo. Já vimos como será a Geração de Atributos e Augúrios, trouxe as culturas Arthasiana, Athiggnu, Eleana, Kollichiana, Ongkheseana, assim como as Complicações, que dão um toque especial ao personagem.

Hoje trago para vocês os Ravinai, os Filhos das Ondas, o povo de piratas, contrabandistas e marinheiros de Anttelius. Eles são a cultura mais recente a aparecer em Arthasia, surgindo no mar há cerca de 300 anos. Vindos de algum outro lugar, que eles creem ser outro mundo, os Ravinai logo estabeleceram o seu domínio sobre o Oceano Rubro, demonstrando ter tanto potencial para transações econômicas, como militares, sobre às águas. Os 13 Lordes do Mar governam esse povo por meio de alianças, traições, e acordos duvidosos, fazendo com que eles tenham uma fama quase tão ruim como os Athiggnus, mas isso não impede que diversas cidades confiem em seus serviços para transportar o que precisam.

Ravinai

Vindos de outro mundo a pouco mais de 300 anos, esse povo de marinheiros, piratas, mercadores, e homens do mar viaja para onde o mar e o vento os leva. Eles são a cultura que está mais à vontade nos oceanos em todo o mundo de Anttelius. Conhecidos pelos seus navios, os melhores de todos os mares, seus marinheiros e capitães são cobiçados pelas Cidades-Estados. No entanto, por causa disso, também atraem inimigos invejosos pelo seus sucesso, e pela pirataria que muitos praticam. Os Filhos da Brisa são governados por um conselho de 13 famílias que lutam constantemente entre si por poder e influência, no Arquipélago de Lorui.

Origem: Os Ravinais são a mais jovem cultura de Anttelius, tendo aparecido nos mares ocidentais há pouco mais de 300 anos. Conta os anciões das 13 famílias que esse povo veio de outro mundo, quando mais de 50 navios deles fugiam da perseguição injusta de outras culturas, que pretendiam os extinguir. A causa dessa perseguição, no entanto, nunca foi revelada ou discutida para pessoas de fora dos mais altos círculos da sociedade Ravinai. Pedindo ajuda de seu Deus, Ravi, o guardião dos mares, ondas e da brisa, eles navegaram por dias e dias até encontrarem uma aurora estranha e acolhedora. Sem hesitar, os capitães ordenaram que os navios mantivessem seus rumos, e após atravessarem a aurora, se viram em um lugar que nunca estiveram antes. Estavam em Anttelius, no Oceano Rubro, na região do Arquipélago de Lorui, onde se estabeleceram e formaram a Aliança dos Lordes, que governa esse povo em conselho.

Aparência: De pele naturalmente branca, mas normalmente bronzeada devido à exposição aos elementos, os Ravinai possuem uma estatura levemente alta, com homens tendo cerca de 1,80m de altura, e mulheres por volta de 1,70m. Seus cabelos são lisos, mas às vezes levemente ondulados, de cores escuras, assim como seus olhos (embora alguns indivíduos possuam a íris azulada e acinzentada). Bigodes são populares entre os homens, assim como tranças entre as mulheres. Em termos de vestimenta, esses homens e mulheres dão preferência a roupas confortáveis e leves, sempre coloridas, assim como um bom sabre em suas cinturas, e um belo chapéu sobre suas cabeças, sem esquecer da pluma.

Costumes: Conhecidos por serem supersticiosos e por amarem os mares e viagens, os Ravinai tem o costume de seguirem para onde os ventos os levarem, seguindo seus corações. Apesar de viverem principalmente entre as ilhas do Arquipélago de Lorui, os Ravinai costumam viajar constantemente, voltando para suas casas apenas ocasionalmente. Um de seus costumes, originado da sua devoção a Ravi, é a oferenda de comidas, joias, e pedras preciosas, em pequenas embarcações que são levadas pelas ondas em datas especiais, como a virada do ano, e aniversários. Sendo os Filhos das Ondas e das Brisas, são um povo que valoriza muito a liberdade individual, mas nem por isso prezam pela liberdade de outros povos, e alguns se envolvem com venda de escravos. É uma cultura que adora ouro, gemas e joias preciosas e costumam ostentar suas posses e gastar muito, sem se preocupar com o amanhã. A caça a tesouros é uma tradição antiga, e muitas vezes as famílias escondem artefatos e outros bens preciosos para mandarem seus jovens a sua procura, como um teste de maturidade.

Organização: Quando chegaram em Anttelius, os Ravanai vierem em grandes embarcações, divididos em 13 principais famílias, todas elas lideradas por um indivíduo de poder e grande influência. Essas pessoas, conhecidas como Lordes do Mar, são os líderes desse povo e governam por meio de um conselho chamado de Aliança dos Lordes. Uma reunião anual acontece no Arquipélago de Lorui, quando esses lordes decidem os rumos do seu povo, criam leis, julgam casos importantes, e decidem sobre outras questões importantes. Não é raro haver mudanças nesse grupo, já que essa é uma posição bastante invejada. Intrigas, traições e assassinatos acontecem vez ou outra, e alguns dissidentes tentam adentrar o conselho sem serem líderes de uma das treze principais famílias. Por suas vezes, essas 13 grandes famílias tem autoridade sobre outras famílias menores que as servem, cada um liderada por seus barões, e especializados em diversas atividades. Algumas são conhecidas por práticas de pirataria, outras por serem mercadores, mercenários, vendedores de escravos e outras coisas. Mas todas elas devem se reportar aos Lordes dos Mares.

Reputação: Os Ravinai são vistos como piratas, gananciosos, e irresponsáveis, ao mesmo tempo em que são considerados os maiores marinheiros e capitães dos mares de Anttelius. A habilidade que possuem em conduzir embarcações seja em oceanos, lagos, rios e outros corpos d’água é quase lendária, fazendo os serviços desse povo muito desejado e cobiçado por comerciantes, nobres, e outras pessoas que podem pagar o alto preço que cobram. Talvez os únicos rivais que tenham sobre as águas sejam os Solssonir com suas Drakkaris, os navios de guerra daquele povo.

Idioma: Rivan é o idioma falado por esse povo, uma língua sonora e musical, diferente de todas as outras de Anttelius, apesar de algumas pouquíssimas palavras guardarem leve semelhança com o Zartariano Antigo. Essa cultura é famosa por suas canções, que contam histórias de feitos corajosos, aventuras, e surpreendentes fugas de seus antepassados nos mares de seu antigo mundo.

Benção: É dito que um Ravinae sempre sabe que caminho deve seguir para chegar onde deseja. Abençoados com um dom por Ravi, o Deus dos Mares e da Brisa, os Ravinai conseguem sentir em seus corações a direção para onde querem realmente ir. Assim, sempre que estão perdidos ou não sabem para onde seguir, eles podem buscar a ajuda da brisa e das ondas para saber a direção que devem tomar. Gastando um ponto de Sorte, um personagem Ravinae pode sentir em que direção está o lugar que deseja alcançar, seja uma cidade, uma ilha, uma montanha ou a saída da masmorra. Lembre-se que isso indica apenas a direção e não o caminho completo a ser seguido.

Aspectos Sugeridos: Marinheiro, Pirata, Mentiroso, Contador de Histórias, Galante.

Ou seja, se você quiser navegar por algum local, é bem provável que entrará em contato com esse povo. Além disso, é bem provável que você não saiba ao certo o que esperar deles, já que às vezes eles são simples mercadores, às vezes piratas, e outras vezes contrabandistas cruéis.

Para acessar a página contendo todas as postagens do Bruxos & Bárbaros, clique aqui.

Para baixar o "Jogo Rápido" com regras para começar a jogar imediatamente, clique aqui.

Se você gostou da postagem, visite a página do Pontos de Experiência no Facebook e clique em curtir. Você pode seguir o blog no Twitter também no @diogoxp.