quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Crônicas da Terceira Era - A Pedra de Fogo - Parte I

Nossa história começa cinco anos depois da morte de Smaug, o Dragão da Montanha Solitária e da libertação da Floresta de Mirkwood do Necromante de Dol Guldur. Os povos livres do norte voltaram a desfrutar de paz e prosperidade após cerca de mil anos. Homens, Elfos e Anões, que viveram isolados durante centenas de anos reatam relações e antigas alianças renascem. As trevas que cobriam quase toda a Floresta de Mirkwood ficam mais fracas e a luz e levada a lugares que a muito tempo não alcançava. Tesouros, lugares e trilhas considerados perdidos voltam a serem procurados.

Os orcs, goblins e outras crituras terríveis que assolavam a região das Terras Êrmas tiveram suas forças muito reduzidas após a Guerra dos Cinco Exércitos. Estas ameaças ainda podem ser encontradas nos cantos mais sombrios e escondidos, mas o maior mal que pode desequilibrar a paz que a região desfruta é a escuridão dentro do coração de Homens, Elfos e Anões.

Nas Montanhas Azuis, no de 2946 da Terceira Era, Drarin e Klandrin, dois anões que viviam nestas montanhas, foram encarregados de localizar e, se necessário, resgatar a Pedra de Fogo e seus portadores que partiram para Erebor no início do verão. O objetivo era entregar a Pedra de Fogo para Daín Ironfoot, o Rei Sobre a Montanha. Mas há alguns dias, os Barbas-de-Fogo das Montanhas Azuis receberam mensagens de que os anões portadores desapareceram na parte norte da Floresta de Mirkwood. Drarin e Kladrin, eram mercadores e já tinham percorrido o caminho que os primeiros anões tomaram, e por isso foram procurados para ajudar.

Partindo das montanhas os dois passaram pelo Condado, uma comunidade pacata, habitada por seres muito pacatos, e, enquanto permaneciam lá por uns dias descansando para prosseguir viajem, conheceram dois Hobbits que os convenceram a deixá-los ir juntos na viajem. Seus nomes eram Grimble e Robin, dois amigos que sempre sonharam e ver o que há além dos limites do Condado, ver Elfos e Montanhas longínquas, mas nunca tiveram coragem. Porém, depois da volta de Bilbo Baggins de uma aventura no leste, tudo isso mudou. A viajem a partir do condado foi um tanto tranquila até chegar às Montanhas da Névoa. Já era início do outono mas as fortes chuvas do verão ainda não tinham terminado. A passagem pelas montanhas não foi fácil, e caso não fosse pela resistência e o vigor dos anões, combinadas com a capacidade dos Hobbits de manterem o espírito sempre elevado e de escapar de situações inesperadas, nenhum deles teria chegado vivo ao Vale do Anduin.


Quando chegaram do outro lado das Montanhas da Névoa, o grupo foi interceptado por Beornings, os guardiões do Vale Norte do Anduin. Estes Homens do Norte não possuiam uma boa impressão sobre Anões e não compreendiam sua paixão por tesouros e gemas, mas graças à simpatia e boas maneiras dos Hobbits, os companheiros conseguiram acalmar os ânimos dos Beornings e até permanecer em um de seus acampamentos enquanto se preparavam para adentrar as sombras da Floresta de Mirkwood. Foi no acampamento que conheceram Aerandir, um Elfo da Floresta, amigo dos Beornings e conhecedor das trilhas e caminhos das matas. Aerandir se prontificou a ajudar os anões em sua busca e ele mesmo já estava investigando alguns acontecimentos estranhos no noroeste da floresta.

E assim se formou a companhia, Anões, Hobbits e um Elfo em busca da Pedra de Fogo e de seus portadores sobre as sombras das árvores da Floresta de Mirkwood. O que será que eles encontrarão na escuridão?

Essa história está sendo criada em uma mesa de The One Ring - Adventures over the Edge of the Wild. Cada sessão corresponde a uma parte da história, que se cria e modifica conforme todos os envolvidos decidem o que seus personagens fazem e como eles reagem.